NewsFiji Pro

Fiji Pro adia o round 3 até entrar um novo swell em Tavarua

GoPro Challenge: Miguel e Italo se divertem
0:44
Miguel Pupo e Italo Ferreira levam o Gopro Chalenge para outro nível.

A terça-feira amanheceu com ondas pequenas em Cloudbreak e a terceira fase do Fiji Pro foi adiada para aguardar a entrada de um novo swell (ondulação) que só deve entrar mais para o fim de semana na ilha de Tavarua. Mesmo assim, a comissão técnica se reúne a cada dia para analisar as condições do mar e a primeira chamada da quarta-feira foi marcada para as 7h30 em Fiji, 16h30 da terça-feira no fuso de Brasília. O campeão mundial Gabriel Medina está na primeira bateria com o australiano Matt Banting e outros sete brasileiros seguem na disputa do título da quinta das onze etapas do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2016.

An empty wave during round two. Cloudbreak WSL / Ed Sloane

"Nós estamos cancelando a competição por hoje (terça-feira)", afirmou o brasileiro Renato Hickel, Deputy Commissioner da WSL. "Nós já realizamos as duas primeiras rodadas nos dois primeiros dias da janela do evento, mas hoje não temos muitas ondas boas. Elas não passam dos 3 pés em Cloudbreak, então voltaremos amanhã (quarta-feira em Fiji) para avaliar as condições do mar e decidir se a competição recomeça ou para anunciar a próxima chamada".

Entre os 24 surfistas que passaram pelas duas primeiras fases do Fiji Pro, estão oito dos dez brasileiros da elite dos top-34 da World Surf League. As únicas baixas foram dois novatos que nunca haviam competido em Cloudbreak. O melhor estreante da temporada, Caio Ibelli, perdeu para o experiente Taj Burrow na segunda-feira e deve sair do seleto grupo dos top-5 em Fiji. O número 1 do Jeep WSL Leader, Matt Wilkinson, confirmou o favoritismo sobre Alex Ribeiro, que não venceu nenhuma das dez baterias que disputou em seu primeiro ano no CT.

Wiggolly passa por dentro
1:04
Wiggolly Dantas te leva por dentro do tubo de Cloudbreak

O vice-líder do ranking, Italo Ferreira, também aproveitou a segunda chance de classificação para a terceira fase, assim como o campeão mundial Gabriel Medina e o catarinense Alejo Muniz, que despachou o vice-campeão do Fiji Pro no ano passado, Julian Wilson. Medina usou algumas armas do seu arsenal de recursos para vencer baterias contra Ryan Callinan. Voou num Aley-Oop muito alto, surfou um dos tubos mais longos dos dois primeiros dias e agora vai disputar a primeira bateria do próximo dia, abrindo a terceira fase contra outro australiano, Matt Banting.

Depois tem Filipe Toledo contra o havaiano Dusty Payne na terceira bateria. Na quarta, se enfrentam os recordistas da primeira fase no domingo em Cloudbreak, o sul-africano Jordy Smith com 16,67 pontos e Kelly Slater com a nota 9,03 que recebeu na melhor onda do dia. Na disputa seguinte, Wiggolly Dantas, que estreou com vitória sobre o tricampeão mundial Mick Fanning, terá o norte-americano Conner Coffin como adversário. E o do defensor do título mundial, Adriano de Souza, será o havaiano Keanu Asing na sexta bateria.

Tavarua at sunrise. Tavarua WSL / Ed Sloane

Um duelo potiguar entre Italo Ferreira e Jadson André abre a chave de baixo do Fiji Pro, que vai apontar o segundo finalista. E os outros dois brasileiros vão disputar as duas últimas eliminatórias da terceira fase contra dois australianos. A penúltima bateria será entre Miguel Pupo e Adrian Buchan. E na última, Alejo Muniz encara Matt Wilkinson, que venceu as duas primeiras etapas da temporada e não largou mais a lycra amarela de número 1 do Jeep WSL Leader.

×
×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it