NewsMaui and Sons Arica Pro Tour

Duas baterias abrem o Maui and Sons Arica Pro Tour no Chile

Highlights: Maui and Sons Arica Pro Tour, Dia 01
Veja os melhores momentos do QS 1500 no Chile

A segunda-feira amanheceu com um swell de sul/sudoeste bombando ondas de 6-8 pés em El Gringo para dar a largada no QS 1500 Maui and Sons Arica Pro Tour no Chile. No entanto, só foram realizadas duas das oito baterias da rodada inicial programadas para o primeiro dia, até entrar um vento maral muito forte afetando a qualidade das ondas e deixando as condições muito perigosas para os surfistas. Os brasileiros Lucas Silveira e João Chianca conquistaram as únicas vitórias do dia, com o argentino Francisco Usuna e o peruano Sebastian Correa se classificando em segundo lugar para a rodada de estreia dos cabeças de chave da terceira etapa do WSL Qualifying Series na América do Sul esse ano.

Maui and Sons Arica Pro Tour Maui and Sons Arica Pro Tour WSL / Rodrigo Farias

"Com o vento maral, as condições aqui em El Gringo ficam muito marginais e a onda perigosa de correr, abrem pouco e o fator segurança passa a predominar sobre o aspecto técnico", explica Roberto Perdigão, Tour Manager da WSL South America no Maui and Sons Arica Pro Tour. "Como a onda quebra muito próxima da bancada e o fundo é raso, é mais prudente que as baterias só sejam disputadas em condições ideais, já que existe risco de acidente e até de vida para os atletas. A previsão é de ondas ainda maiores até sexta-feira, o ápice do swell deve ser na quarta-feira, mas amanhã (terça-feira) já teremos grandes ondas para dar sequência na primeira fase"

Um total de 43 surfistas de sete países está no Chile para participar da sétima edição do Maui and Sons Arica Pro Tour nas grandes ondas de El Gringo, em Ex-Isla Alacrán. A maioria dos inscritos é do Chile, com doze concorrentes ao título que vale um prêmio de 10.000 dólares, 1.500 pontos para o WSL Qualifying Series e 1.000 para o ranking sul-americano da WSL South America, atualmente liderado pelo argentino Leandro Usuna, seguido pelo brasileiro Flavio Nakagima. O Brasil comparece com onze surfistas, o Peru com dez, a Argentina com cinco, a Austrália e Estados Unidos com dois cada e a França tem um representante em Arica.

Maui and Sons Arica Pro Tour Lucas Silveira WSL / Mauricio Lazo

Os dezesseis mais bem ranqueados na World Surf League fazem parte da lista dos cabeças de chave que só entram na segunda rodada do QS 1500 Maui and Sons Arica Pro Tour. Os outros 27 foram divididos nas oito baterias da primeira fase iniciada na segunda-feira. As duas únicas realizadas no primeiro dia foram vencidas por brasileiros. O atual campeão mundial Pro Junior da WSL, Lucas Silveira, ganhou a primeira surfando um tubaço nota 8,0 e outro surfista do Rio de Janeiro, João Chianca, foi o melhor na segunda e última do dia. A chamada para a terceira foi marcada para as 7h30 da terça-feira no Chile.

"O início da competição demorou um pouco, mas fiquei muito feliz por conseguir aquela primeira onda que valeu uma nota 8,0", disse Lucas Silveira. "Foi um bom tubo, mas depois não consegui sair de nenhum outro. Já ouvi que amanhã (terça-feira) as ondas vão estar maiores ainda e estou ansioso para competir de novo. Hoje eu não quis arriscar em remar numa onda grande demais e acabar arrebentando a cordinha, quebrar a prancha, ou mesmo me quebrar todo (risos). Aqui em Arica, é importante se posicionar bem no mar, procurar as ondas que vão abrir e ter confiança na hora do dropar".

Maui and Sons Arica Pro Tour Francisco Usuna WSL / Rodrigo Farias

Nessa bateria que abriu o QS 1500 Maui and Sons Arica Pro Tour, o argentino Francisco Usuna se classificou em segundo lugar somando 9,83 pontos contra 11,83 do brasileiro. Lucas Silveira agora vai enfrentar o líder do ranking sul-americano da WSL South America, o irmão de Francisco, Leandro Usuna. O chileno Danilo Cerda e o peruano Sebastian Correa, segundo colocado na segunda bateria da segunda-feira, completam este confronto que vai abrir a rodada dos cabeças de chave do Desafio de Arica no Chile.

Já o vencedor do outro único confronto do primeiro dia, João Chianca, e o argentino Francisco Usuna, foram para a segunda bateria da segunda fase, encabeçada pelo seu irmão Lucas Chianca e pelo também brasileiro Samuel Igo, da Paraíba. O João é o mais jovem da família de Saquarema, a "Cidade do Surf" da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Ele surfou a melhor onda da bateria para vencer por 8,27 pontos, com o peruano Sebastian Correa somando 6,03 para ganhar a disputa pela segunda vaga. Os dois acabaram eliminando o campeão da primeira edição do Mundial de Arica em 2009, o peruano Gabriel Villaran, além do chileno Alejandro Diaz.

Maui and Sons Arica Pro Tour Sebastian Correa WSL / Rodrigo Farias

"As condições estavam bem difíceis lá fora e eu fiquei um pouco nervoso com o tamanho das ondas", disse João Chianca. "Mas, felizmente deu tudo certo e consegui vencer a bateria. Agora estou mais tranquilo e pronto para o próximo rounde. Eu procurei pelas ondas com potencial para ter notas boas e surfei uma que foi suficiente para vencer. Eu gostaria de agradecer ao meu pai e a minha família por todo o apoio que me dão, pois sem eles nada disso seria possível".

CAMPEÕES EM EL GRINGO - A terceira bateria, que ficou para abrir a terça-feira, com a primeira chamada do dia marcada para as 7h30 em Ex-Isla Alacrán, vai envolver competidores de quatro países, o norte-americano Nate Dorman, o peruano Jean Pierre Quiroz, o brasileiro Cristiano Bins e o chileno Herold Christopher. Além de Gabriel Villaran, outros dois surfistas que já venceram o Maui and Sons Arica Pro Tour estão participando desta sétima edição do campeonato mais antigo do calendário 2016 da WSL South America.

Maui and Sons Arica Pro Tour Gabriel Villaran WSL / Rodrigo Farias

O rei dos tubos de El Gringo em 2011, Guillermo Satt, do Chile, é um dos cabeças de chave da sexta bateria da segunda fase. Mas o campeão de 2013, o peruano Alvaro Malpartida, estreia na rodada inicial, também na sexta bateria contra o norte-americano Myles Laine-Toner e dois chilenos, Roberto Araki e Erik Bustos. Nos confrontos com três ou quatro competidores, os dois melhores avançam para a próxima fase.

DESAFIO DE ARICA - Esta é a etapa mais desafiadora do WSL Qualifying Series na América do Sul. A bancada de El Gringo produz tubos espetaculares até em grandes ondulações, mas no ano passado as condições do mar ficaram tão extremas e perigosas no último dia que as finais foram canceladas, visando preservar a integridade física dos atletas. Com isso, os quatro semifinalistas terminaram empatados em terceiro lugar e dividiram a premiação, os chilenos Manuel Selman e Leon Landea, o peruano Miguel Tudela e o francês Andy Criére.

×
×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it