NewsBillabong Pro Tahiti

Kelly Slater comanda show nos tubos de Teahupoo

Highlights: Finais no Tahiti
3:07
Kelly Slater leva o caneco mais uma vez

O onze vezes campeão mundial Kelly Slater deu mais um show nos tubos de Teahupoo e aumentou para cinco o seu recorde de títulos conquistados em sete finais na etapa mais desafiadora do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour. Ele fez uma bateria perfeita computando duas notas 10 em sua primeira apresentação na terça-feira de ondas fantásticas de 5-7 pés, tirou outro 10 contra Bruno Santos nas quartas de final e totalizou 19,67 pontos de 20 possíveis na decisão contra John John Florence. O havaiano garantiu a liderança no Jeep WSL Ranking nas semifinais, quando venceu por 19,66 a 19,23 um duelo sensacional com Gabriel Medina, que também surfou um tubaço nota 10 nesta bateria.

Slater, triumphant after winning the Billabong Pro Tahiti. Kelly Slater WSL / Kelly Cestari

O √ļltimo dia do Billabong Pro Tahiti foi marcado por grandes performances dos melhores surfistas do mundo, com os dois finalistas surfando mais de trinta tubos em Teahupoo. Slater j√° tinha vencido o maior desafio da Liga Mundial de Surf em 2000, 2003, 2005, 2011 e agora conquista a 55.a etapa da sua carreira. Com os 10.000 pontos recebidos no Taiti, o maior √≠dolo do esporte saltou da 19.a para a oitava posi√ß√£o no Jeep Leaderboard. J√° o havaiano John John Florence tirou a lycra amarela do australiano Matt Wilkinson e Gabriel Medina permaneceu em terceiro lugar. Somente os tr√™s v√£o novamente brigar pela ponta na pr√≥xima etapa, o Hurley Pro Trestles, de 7 a 18 de setembro em San Clemente, na Calif√≥rnia, Estados Unidos.

"Quando olho para trás, vejo que essa foi uma das melhores vitórias que já tive", disse Kelly Slater. "Fazer uma final com o John John (Florence) é um sonho para mim. Não é nenhum segredo que estou na reta final da minha carreira. O John John e o Gabriel (Medina) estão vindo agora e esses caras são dois monstros. O John John é um grande surfista, então quero ver quantas baterias posso fazer com ele aqui, onde ele e o Gabriel são os favoritos. Este é um momento muito especial para mim e estou muito feliz por tudo que aconteceu hoje aqui".

John John Florence during the semifinals. John John Florence WSL / Kelly Cestari

Depois de um p√©ssimo in√≠cio de temporada, vencendo apenas uma bateria nas tr√™s etapas da "perna australiana" da World Surf League, Slater nem quis vir ao Brasil, cancelando sua participa√ß√£o no Oi Rio Pro em cima da hora. Depois, foi at√© as semifinais do Fiji Pro, onde foi barrado pelo campe√£o do evento, Gabriel Medina, chegou nas quartas de final do J-Bay Open na √Āfrica do Sul e agora volta a vencer uma final contra John John Florence como na √ļltima etapa que tinha conquistado em 2013, no Billabong Pipe Masters do Hava√≠.

"Hoje (ter√ßa-feira) deu tudo certo para mim", continuou Slater. "Eu estava no lugar certo para pegar as ondas certas e totalmente relaxado o tempo todo. Se eu perdesse essa final para o John John, n√£o teria nenhum problema para mim. Eu estava encarando cada bateria como um b√īnus. Eu estava vindo de dois anos historicamente muito ruins, ent√£o qualquer coisa que acontecesse aqui hoje ia ser bom para mim".

Gabriel Medina winning his quarterfinal heat. Gabriel Medina WSL

A grande final reuniu duas grandes estrelas do CT. Florence foi rápido para largar na frente com uma nota 8,0 em sua primeira onda, mas Slater respondeu com um quase perfeito 9,77. Logo Kelly pega outro tubo incrível, muito profundo, que valeu 9,17, deixando o havaiano em uma situação de combinação, precisando trocar suas duas notas nos dez minutos finais. No entanto, Slater continuou a aumentar sua pontuação com um fenomenal 9,90 para confirmar a vitória por 19,67 a 15,23 pontos.

BATERIA PERFEITA - Ele já tinha começado muito bem a terça-feira, postando o máximo de 20 pontos com duas notas 10 contra o havaiano Keanu Asing no segundo confronto do dia. Esta foi apenas a nona vez que aconteceu uma bateria perfeita em 40 anos de Circuito Mundial e a terceira conseguida por Slater. Uma delas foi nos mesmos tubos de Teahupoo, em plena final contra o também norte-americano Damien Hobgood em 2005.

Adrian Buchan was eliminated in the semifinals. Adrian Buchan WSL / Kelly Cestari

"O primeiro 10 foi definitivamente um tubo mais dif√≠cil e o segundo foi um bem maior e mais perfeito, um tubo cl√°ssico aqui de Teahupoo", disse Slater, depois de vencer Keanu Asing na quinta fase. "Eu realmente fiquei em d√ļvida se eles (ju√≠zes) iriam dar um 10 no segundo tubo, pois o primeiro tinha sido muito mais dif√≠cil de completar. Uma bateria perfeita n√£o vai acontecer muitas vezes na sua vida, ent√£o fiquei amarrad√£o por ter repetido isso aqui".

PRÊMIO ANDY IRONS - Slater depois ainda surfou outro tubo nota 10 contra Bruno Santos nas quartas de final, quando vingou a derrota sofrida para o niteroiense na quarta fase. Ele também recebeu o prêmio "Andy Irons Most Committed Performance Award", oferecido ao surfista de maior destaque no Billabong Pro Tahiti. Antes dele, os vencedores deste prêmio foram o francês Jeremy Flores (2011), o brasileiro Ricardo dos Santos (2012), o próprio John John Florence (2013), o australiano Owen Wright (2014) e o americano C. J. Hobgood (2015).

Julian Wilson during the quarterfinals. Julian Wilson WSL / Kelly Cestari

"Estou feliz porque tenho buscado esse pr√™mio h√° anos", confessou Slater. "O Andy (Irons) certamente deve estar amarrad√£o por eu ter ganho. A √ļltima vez que eu surfei contra o Andy foi aqui em Teahupoo e ele ganhou o evento. Foi a sua √ļltima vit√≥ria e eu perdi para ele nas semifinais. Foi uma bateria muito especial para mim e esse pr√™mio √© muito especial. N√£o vejo a hora de colocar esse trof√©u na minha casa. √Č como seu eu tivesse vencido o campeonato j√°".

NOVO L√ćDER - O vice-campeonato de John John Florence √© o melhor resultado do havaiano em Teahupoo e valeu a lycra amarela de n√ļmero 1 do Jeep WSL Leader, que ele vai usar na pr√≥xima etapa em Lower Trestles. No caminho para chegar na grande final na ter√ßa-feira, Florence derrotou Joel Parkinson na quinta fase, depois o tamb√©m australiano Julian Wilson e Gabriel Medina em outra bateria fant√°stica do √ļltimo dia do Billabong Pro Tahiti.

lifestyle Billabong tahiti Pro 16 Billabong Pro Tahiti WSL

"Estou super feliz por ser o líder do Jeep Ranking", disse John John Florence. "Mas, neste momento, é apenas uma lycra amarela, pois o que conta mesmo é no final do ano e ainda há um longo caminho até lá. Certamente, vou trabalhar bastante para ficar com ela até o fim".

CONFRONTO DIRETO - A primeira posição no Jeep Leaderboard foi disputada num confronto direto com Gabriel Medina, que pelo terceiro ano consecutivo chegou nas semifinais do Billabong Pro Tahiti. Ele venceu esta etapa em 2014, quando conquistou o título mundial, foi vice-campeão na final contra o francês Jeremy Flores no ano passado e agora terminou em terceiro lugar. Foi uma bateria impressionante, certamente uma das melhores do campeonato esse ano, com os dois surfando sete tubos excelentes com notas acima de 9,0.

Joel Parkinson (AUS) placed 2nd in  Heat 4 of Round Four at Billabong Pro Tahiti 16 Joel Parkinson WSL

O havaiano liderou a disputa com 18,44 pontos contra 17,46 de Medina, mas o brasileiro desafiou Florence saindo de um tubo monstruoso que arrancou nota 10 dos juízes nos 10 minutos finais. A pressão ficou para John John, que passou a precisar de 9,31 para vencer. O havaiano usou sua prioridade de escolha da próxima onda para surfar um tubaço quando restavam apenas quatro minutos e recuperou a liderança com um 9,93. E ele ainda pegou outro que valeu 9,73 para selar a vitória por um incrível placar de 19,56 a 19,23 pontos.

"Foi uma bateria muito divertida", disse Gabriel Medina. "O John John (Florence) é sempre muito difícil de bater em qualquer lugar. Nós dois surfamos ondas incríveis, mas hoje era o dia dele. Estou feliz pelo resultado e já estou ansioso para competir em Trestles".

Josh Kerr winning his Round Three heat. Josh Kerr WSL / Kelly Cestari

Antes de enfrentar John John Florence, Medina ganhou o duelo brasileiro da quinta fase contra o potiguar Jadson André e depois também não deu qualquer chance para o australiano Josh Kerr nas quartas de final. Ele permaneceu em terceiro lugar no Jeep Leaderboard, mas diminuiu a diferença para o ex-líder, Matt Wilkinson, para apenas 300 pontos. Ultrapassaria o australiano se passasse para a final, mas segue na disputa direta pelo título mundial deste ano.

MUDANÇAS NO RANKING - Além de Slater, quem também subiu bastante no ranking foi o australiano Adrian Buchan, que terminou empatado em terceiro lugar no Billabong Pro Tahiti com Gabriel Medina. Com os 6.500 pontos recebidos, Buchan saltou da 11.a para a quarta posição no Jeep Leaderboard, antes ocupada pelo atual campeão mundial Adriano de Souza. O australiano Julian Wilson e o sul-africano Jordy Smith também ultrapassaram Mineirinho, que não passou nenhuma bateria em Teahupoo esse ano e caiu para o sétimo lugar na classificação geral das sete etapas completadas no Taiti.

Jadson Andre winning his Round Three heat. Jadson Andre WSL / Kelly Cestari

Outros brasileiros que tamb√©m perderam posi√ß√Ķes no ranking por terem ficado em √ļltimo lugar no Billabong Pro Tahiti foram os paulistas Caio Ibelli (de 12.o para 16.o), Filipe Toledo (13.o para 17.o) e Wiggolly Dantas (14.o para 18.o). J√° Miguel Pupo permaneceu em 22.o, fechando o grupo dos 22 que s√£o mantidos na elite dos top-34 da World Surf League para disputar o t√≠tulo mundial do ano que vem. Entre os integrantes da atual "sele√ß√£o brasileira", continuam foram da zona de classifica√ß√£o o catarinense Alejo Muniz (26.o), o potiguar Jadson Andr√© (28.o) e o paulista Alex Ribeiro (38.o).

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it