Quiksilver Pro France

Filipe e Alejo se classificam na França

WSL South America

Highlights: Quiksilver Pro France
O mar melhorou e o show foi dentro d'água

Mais dois brasileiros se classificaram para a terceira fase do Quiksilver Pro France e sete continuam na disputa do título da nona etapa do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour. Os campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, os também paulistas Caio Ibelli e Miguel Pupo e o potiguar Italo Ferreira, já tinham se garantido por terem estreado com vitórias. E na sexta-feira de boas ondas de 4-5 pés na praia Les Culs Nus de Hossegor, Filipe Toledo ganhou o duelo paulista com Alex Ribeiro e o catarinense Alejo Muniz despachou o taitiano Michel Bourez no confronto seguinte.

Filipe Toledo during Round 2 at the QUiksilver Pro France. Filipe Toledo - WSL / Damien Poullenot

O dia começou com o ex-líder do ranking, Matt Wilkinson, ganhando por pouco do francês Joan Duru, 14,56 a 14,33 pontos. Depois, três cabeças de chave foram barrados na primeira rodada eliminatória do Quiksilver Pro France. Campeão da etapa passada em Lower Trestles, na Califórnia, Estados Unidos, quando assumiu a quarta posição no ranking, o sul-africano Jordy Smith foi batido pelo australiano Ryan Callinan por 12,26 a 11,83. O convidado Leonardo Fioravanti, da Itália, derrotou o onze vezes campeão mundial Kelly Slater por 13,26 a 10,16. E o jovem Matt Banting superou o experiente Joel Parkinson por 11,50 a 10,74.

A participação do Brasil na segunda fase começou na sexta bateria, no duelo paulista do surfista de Ubatuba que mora em San Clemente, na Califórnia, Filipe Toledo, com o da Praia Grande, Alex Ribeiro. Filipe achou duas boas direitas que abriram a parede para ele fazer uma série de três manobras executadas com pressão e velocidade para vencer por 15,67 pontos. Era o maior placar do dia até ali, enquanto Alex só conseguiu 7,60 nas duas notas computadas.

Alejo Muniz (BRA) Placed 1st in Heat 7 of Round Two at Quiksilver Pro France 16 Alejo Muniz - WSL / Poullenot/Aquashot

Logo após o confronto verde-amarelo, o catarinense Alejo Muniz despachou outro cabeça de chave, o taitiano Michel Bourez. Seu oponente até começou melhor com nota 5,33 e liderou praticamente toda a bateria, mas o brasileiro conseguiu uma reação fulminante nas duas últimas ondas que ele surfou. Na penúltima ganhou nota 5,50 e a última valeu 6,50 para fechar o placar da vitória em 12,00 a 11,33 pontos.

Já os outros dois brasileiros que competiram na sexta-feira foram derrotados por dois americanos. O ubatubense Wiggolly Dantas largou na frente com nota 5,67, mas logo Conner Coffin deu o troco com 7,33 e na onda seguinte surfou um tubaço que valeu nota 9,00 para registrar um novo recorde de 16,33 pontos na segunda fase. O brasileiro também pegou um tubo nas esquerdas de Les Culs Nus, porém foi mais curto e recebeu 6,93 apenas para sair da "combination", ficando com 12,60 pontos.

Alex Ribeiro during Round 2 at the QUiksilver Pro France. Alex Ribeiro - WSL / Damien Poullenot

A bateria que fechou a segunda fase era um confronto direto por vaga no grupo dos 22 primeiros colocados no ranking que são mantidos na elite dos top-34 da World Surf League para o ano que vem. A condição do mar já estava bem mais difícil com a mudança da maré em Les Culs Nus e o potiguar Jadson André tentou de tudo para vencer. Ele foi em várias ondas que fecharam rápido e infelizmente não conseguiu reverter o placar encerrado em 12,43 a 9,17 pontos para Kanoa Igarashi. Com a derrota em 25.o lugar, Jadson acabou saindo da zona de classificação para o CT de 2017 na França.

TERCEIRA FASE - Apesar das três eliminações na sexta-feira, o Brasil tem sete surfistas já escalados para disputar a terceira fase do Quiksilver Pro France. O primeiro a competir será o atual campeão mundial Adriano de Souza na segunda bateria, contra o americano Conner Coffin. Na terceira, o potiguar Italo Ferreira enfrenta Matt Banting e na quarta o paulista Filipe Toledo pega outro australiano, Davey Cathels, o mesmo que o derrotou na primeira fase.

Julian Wilson during Round 2 at the QUiksilver Pro France. Julian Wilson - WSL / Damien Poullenot

Em seguida, se apresentam os ponteiros do ranking. O havaiano John John Florence defende a primeira posição no Jeep WSL Leader contra o australiano Ryan Callinan na sexta bateria. E o defensor do título do Quiksilver Pro France, Gabriel Medina, entra na sétima com o italiano Leonardo Fioravanti, que barrou a fera Kelly Slater na sexta-feira. John John e Medina são os principais concorrentes ao título mundial desse ano e o australiano Matt Wilkinson é o outro único que também briga pela ponta do ranking na França.

Logo após o duelo entre Gabriel Medina e o líder do ranking do WSL Qualifying Series, Leonardo Fioravanti, o paulista Caio Ibelli enfrenta o norte-americano Kanoa Igarashi. Depois, tem o catarinense Alejo Muniz contra o australiano Julian Wilson na décima bateria e o paulista Miguel Pupo contra o havaiano Sebastian Zietz na 11.a. A vitória nesta rodada é superimportante, pois ela vale duas chances de classificação para as quartas de final e a pontuação no ranking sobe de 1.750 para 4.000.

Courtney Conlogue (USA) Placed 1st in Heat 3 of Round Two at Roxy Pro France 16 Courtney Conlogue - WSL / Poullenot/Aquashot

ROXY PRO FRANCE - Depois da repescagem masculina, foi iniciada a segunda fase do Roxy Pro France e a norte-americana Courtney Conlogue ganhou fácil da surfista de Barbados, Chelsea Tuach, para continuar tentando levar a decisão do título mundial para a última etapa da temporada, o Maui Women´s Pro, no Havaí. Mas, a australiana Tyler Wright garante o caneco de campeã da World Surf League se vencer a etapa francesa e ela já conseguiu isso nos dois últimos anos. As duas são as únicas concorrentes ao título mundial de 2016.