Australian Open of Surfing

Maioria dos sul-americanos estreia bem no Australian Open

WSL South America

Highlights: Australian Open of Surfing
O QS 6000 Australian Open of Surfing começou com boas disputas na água.

O QS 6000 Australian Open of Surfing começou na segunda-feira com as meninas e a peruana Melanie Giunta estreou com vitória nas ondas de Manly Beach, em Sydney, na Austrália. Na terça-feira, foi realizada a rodada inicial masculina e mais quinze sul-americanos passaram suas primeiras baterias. Oito brasileiros sairam mar em primeiro lugar e Samuel Pupo fez os recordes do dia - nota 8,83 e 16,60 pontos. Outros paulistas, David do Carmo, Flavio Nakagima, Thiago Guimarães e Marcos Correa, o catarinense Willian Cardoso, o baiano Marco Fernandez e o pernambucano Luel Felipe, também começaram com vitórias no segundo QS 6000 do ano na Austrália.

David do Carmo David do Carmo - WSL / Tom Bennett

Os outros sete se classificaram em segundo lugar nas suas baterias, os brasileiros Robson Santos e Rafael Teixeira, os peruanos Juninho Urcia, Alonso Correa, Lucca Mesinas Novaro, Joaquin del Castillo e o argentino Leandro Usuna, atual campeão sul-americano da WSL South America. Os que triunfaram na terça-feira vão enfrentar os cabeças de chave do Australian Open of Surfing na segunda e última rodada de 24 baterias em que foram divididos os 144 participantes do QS 6000 de Sydney.

Oito sul-americanos foram eliminados no primeiro dia, mas outros nove ainda vão estrear nas ondas de Manly Beach, como os novos líderes do ranking do WSL Qualifying Series, o catarinense Yago Dora e o paulista Jessé Mendes, que decidiram o título do primeiro QS 6000 da temporada no último domingo em Newcastle. O campeão Yago Dora encabeça a 11.a bateria da segunda fase do Australian Open, completada pelo australiano Kalani Ball e os norte-americanos Griffin Colapinto e Cam Richards. E Jessé Mendes está na 22.a com o argentino Leandro Usuna, o americano Patrick Gudauskas e o australiano Tom Whitaker.

Julian Wilson Julian Wilson - WSL / Ethan Smith

DOBRADINHAS BRASIL E PERU - Na terça-feira, já aconteceram seis baterias com participação dupla de surfistas da América do Sul. Na primeira delas, a quarta do dia, o brasileiro Willian Cardoso e o peruano Juninho Urcia despacharam o americano Parker Coffin e o australiano Brent Dorrington. E a dobradinha Brasil e Peru se repetiu na sétima bateria, vencida por David do Carmo com o peruano Alonso Correa ganhando a briga pela segunda vaga do chileno Manuel Selman e do havaiano Finn McGill.

Dois brasileiros entraram na disputa seguinte e Thiago Guimarães estreou com vitória, mas o carioca Lucas Silveira, campeão mundial Pro Junior de 2015 da World Surf League, foi barrado pelo francês Nomme Mignot. Na 14.a bateria, o peruano Joaquin del Castillo avançou em segundo lugar e o uruguaio Marco Giorgi ficou em último, assim como o peruano Tomas Tudela na 16.a, vencida pelo pernambucano Luel Felipe. Na vigésima, a última chance de dobradinha sul-americana também não foi concretizada no confronto direto entre Brasil e Austrália, O capixaba Rafael Teixeira passou junto com Wade Carmichael, mas o catarinense Yuri Gonçalves perdeu em terceiro lugar.

Davey Cathels Davey Cathels - WSL / Tom Bennett

MELHOR DO DIA - Entre os sul-americanos que competiram sozinhos com três surfistas de outros continentes, o grande destaque foi o jovem brasileiro Samuel Pupo, que acertou os aéreos para fazer os recordes da terça-feira em Manly Beach. Sua melhor onda valeu nota 8,83 e ninguém conseguiu superar os 16,60 pontos que ele totalizou na décima bateria, contra Charles Martin, de Guadalupe, o americano Cory Arrambide e o australiano Luke Hynd. Antes dele, o baiano Marco Fernandez e o paulista Marcos Correa já haviam estreado com vitórias e o peruano Lucca Mesinas Novaro passado em segundo lugar nas suas baterias.

CAMPEÕES SUL-AMERICANOS - Depois de Samuel Pupo colocar o Brasil no topo da lista de recordes do Australian Open of Surfing, o também paulista Flavio Nakagima conseguiu a última vitória verde-amarela contra três representantes de outros continentes. E a lista dos sul-americanos classificados na terça-feira é completada pelos dois últimos campeões da WSL South America, o brasileiro Robson Santos de 2015 e o argentino Leandro Usuna de 2016, que avançaram em segundo lugar nas suas baterias.

Josh Moniz Josh Moniz - WSL / Tom Bennett

Os dois acabaram seguindo para confrontos encabeçados por brasileiros na segunda fase. Leandro Usuna foi para o 22.o, do vice-líder do ranking, Jessé Mendes. Eles vão competir contra o norte-americano Patrick Gudauskas e o australiano Tom Whitaker. Já Robson Santos foi para a 12.a bateria, dos cabeças de chave Alex Ribeiro e Kanoa Igarashi, dos Estados Unidos, com o australiano Mikey Wright sendo o outro concorrente por duas vagas para a terceira fase.

DUPLA PARTICIPAÇÃO - Além dessas duas, mais cinco baterias terão participação dupla de sul-americanos na segunda fase. Classificados na terça-feira, o brasileiro Marco Fernandez e o peruano Juninho Urcia completaram a terceira bateria, encabeçada pelo havaiano Ezekiel Lau e o australiano Dion Atkinson. Na disputa seguinte, o argentino Santiago Muniz estreia junto com o australiano Jack Freestone, contra Willian Cardoso e o português Miguel Blanco. E a quinta bateria terá o brasileiro Marcos Correa e o peruano Lucca Mesinas Novaro contra os australianos Connor O´Leary e Kai Otton.

Kalani Ball Kalani Ball - WSL / Tom Bennett

Na oitava, tem Brasil e Peru de novo disputando classificação, com Thiago Guimarães e Alonso Correa enfrentando o português Frederico Morais e o sul-africano Beyrick De Vries. Na décima, o baiano Bino Lopes e o recordista Samuel Pupo fazem um confronto direto Brasil x Austrália com Cooper Chapman e Dean Bowen. E na 16.a bateria, a última participação dupla com os brasileiros Hizunomê Bettero e Luel Felipe contra o italiano Leonardo Fioravanti e o australiano Chris Zaffis.

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it