NewsRip Curl Pro Argentina

Thiago Camarão bate todos os recordes do QS 1500 Rip Curl Pro Argentina

Os brasileiros brilharam nas boas ondas de 3-4 pés da quinta-feira na Playa Grande de Mar del Plata e são maioria entre os 32 classificados para a terceira fase do QS 1500 Rip Curl Pro Argentina. O segundo dia começou com uma surpresa, a eliminação do atual campeão sul-americano da WSL South America, Leandro Usuna, mas outro argentino foi o primeiro destaque do dia, Felipe Suarez. Ele bateu os recordes do campeonato e depois Luan Wood igualou a sua nota 8,5 e os 16,00 pontos que totalizou, mas todas as marcas foram batidas por outro brasileiro, Thiago Camarão. Ele atingiu 16,60 pontos com a nota 8,60 da última onda que surfou numa das três baterias 100% verde-amarelas da quinta-feira em Mar del Plata.

Rip Curl Pro Argentina 2017 Thiago Camarão WSL / Maximiliano Martinucci

"As condições (do mar) estão muito boas e nunca pensei em surfar ondas assim aqui", destacou Thiago Camarão. "Eu acho que tive sorte em pegar boas ondas e a bateria era muito difícil, porque os outros surfistas do Brasil na bateria são muito bons. O Kaique (Ferreira), o Igor (Moraes) e o Marcos (Correa) surfam muito bem e acho que venci porque peguei ondas melhores do que eles. Essa é a segunda vez que venho competir aqui e dessa vez mais tranquilo porque tenho um patrocinador, pois no ano passado eu estava sem patrocínio. Agora é só focar em surfar, pois estou bem fisicamente e mentalmente e espero continuar assim até o final".

Thiago Camarão venceu a nona bateria disputada na quinta-feira na Argentina. Antes, dois surfistas já tinham superado os recordes do primeiro dia. O primeiro foi o argentino Felipe Suarez no quarto confronto do dia. Com uma série de três manobras potentes de backside nas esquerdas da Playa Grande, ele ganhou notas 7,50 e 8,50 em duas ondas seguidas para totalizar 16,00 pontos. A bela vitória de Felipe Suarez sobre três brasileiros, diminuiu um pouco a frustração da torcida local pela eliminação do campeão sul-americano Leandro Usuna, para o uruguaio Sebastian Olarte e o brasileiro Krystian Kymerson na primeira bateria do dia.

Rip Curl Pro Argentina 2017 Sebastian Olarte WSL / Maximiliano Martinucci

"Eu acho que tive sorte de pegar boas ondas na bateria", minimizou Felipe Suarez. "Eu não estava com a prioridade (de escolha da próxima onda), mas ninguém remou nela e tentei fazer meu máximo para tirar minha maior nota (8,5). Eu sempre surfo aquela esquerda, todo dia treino baterias nela, então eu sabia exatamente o que fazer. Sou local daqui e acho que ninguém conhece essa onda melhor do que eu. Quero buscar um bom resultado e acho que é um sonho de qualquer argentino ganhar esse campeonato".

Três baterias depois, o catarinense Luan Wood igualou as marcas de Felipe Suarez, também recebendo notas 7,50 e 8,50 nas duas únicas ondas boas que completou na bateria contra o argentino Mariano Arreyes e mais dois brasileiros, Junior Lagosta e Pedro Nogueira. Luan vai disputar um confronto direto entre Brasil e Argentina na terceira fase, com ele e Gustavo Borges enfrentando Francisco Usuna e Facundo Arreyes.

"Estou muito contente por passar a bateria e por ter achado boas ondas, então agora é focar no próximo rounde", disse Luan Wood. "Estou feliz por estar de volta aqui a Mar del Plata, já é a quinta vez que venho para cá e as ondas estão muito boas. Demoram um pouco para entrar, mas a condição está boa para competir. Esse é o meu primeiro QS do ano e espero conseguir uma boa pontuação e premiação também para seguir disputando o Circuito Mundial".

Rip Curl Pro Argentina 2017 Luan Wood WSL / Maximiliano Martinucci

MAIORIA BRASILEIRA - Thiago Camarão, Luan Wood e Gustavo Borges, são três dos 22 brasileiros que se classificaram na quinta-feira em Mar del Plata. Entre eles, está o campeão da primeira edição do Rip Curl Pro Argentina em 2013, Jihad Khodr, que passou em segundo na bateria vencida por Wesley Leite. Dos dez surfistas que vão tentar acabar com a hegemonia brasileira de títulos em Mar del Plata, cinco são da Argentina, dois do Uruguai, dois do Chile e um da Costa Rica, Anthony Fillingim, vencedor da bateria que fechou a segunda fase.

Assim como o costa-ricense, os dois únicos uruguaios também triunfaram nas ondas da Playa Grande, Francisco Morosini e Sebastian Olarte, algoz do campeão sul-americano e finalista do Rip Curl Pro Argentina no ano passado, Leandro Usuna. A esperança de uma primeira vitória argentina em casa agora fica para Felipe Suarez, o irmão mais jovem de Leandro, Francisco Usuna, Facundo Arreyes, Sebastian Ventura e José Gundesen. E os dois chilenos que também passaram para a terceira fase foram Guillermo Satt e Roberto Araki.

Rip Curl Pro Argentina 2017 Facundo Arreyes WSL / Maximiliano Martinucci

QS 1000 FEMININO - No inédito QS 1000 feminino, as brasileiras também são maioria com quatro classificadas para as quartas de final do Rip Curl Pro Argentina. As meninas que se destacaram na quinta-feira foram as que disputaram o título sul-americano Pro Junior da WSL South America no ano passado. A argentina Lucia Cosoleto surfou a melhor onda que valeu nota 8,25 na primeira bateria. E na segunda, a atual campeã Pro Junior, Tainá Hinckel, fez o maior placar, 14,25 pontos, somando notas 7,65 e 6,60.

"Foi uma bateria muito difícil, mas estou feliz por ter passado em primeiro lugar", disse Lucia Cosoleto. "Por sorte, a minha primeira onda foi muito boa, ela abriu perfeita e só tentei fazer meu máximo nela. Estou me sentindo muito bem, competindo em casa, gosto muito de surfar essa onda aqui e estou bem confiante para conseguir um bom resultado. Mas, quero só me concentrar bateria por bateria e surfar bem para ir avançando na competição".

Rip Curl Pro Argentina 2017 Lucia Cosoleto WSL / Maximiliano Martinucci

A argentina bateu a campeã sul-americana da WSL South America em 2011, Dominic Barona, com a equatoriana ganhando a briga pela segunda vaga para as quartas de final da chilena Lorena Fica e da brasileira Carolina Bonelli. Na segunda bateria, duas brasileiras passaram, a catarinense Tainá Hinckel e a cearense Yanca Costa. Lucia Cosoleto agora vai abrir as quartas de final com Yanca Costa e na disputa seguinte Tainá encara a experiente Dominic Barona.

Mais duas brasileiras passaram na terceira bateria feminina da quinta-feira e o dia foi encerrado com uma dobradinha peruana de Melanie Giunta com a campeã sul-americana da WSL South America em 2010 e 2013, Anali Gomez. Na terceira quarta de final, Anali volta a enfrentar Camila Cassia que a derrotou na quarta-feira. Melanie vai disputar a última vaga para as semifinais com a jovem Maju Freitas.

Rip Curl Pro Argentina 2017 Camila Cassia WSL / Maximiliano Martinucci
×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it