NewsOi Rio Women's Pro

Brasil já garantido nas quartas de final do Oi Rio Pro

Brasileiros dominam em casa
16:19
Praia lotada em Saquarema para ver o show dos brasileiros na água.

A torcida que lotou a Praia de Itaúna na sexta-feira vibrou com a participação dos brasileiros que venceram baterias em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Depois das repescagens masculina e feminina, foi iniciada a terceira fase com três vitórias verde-amarelas seguidas. Com isso, o Brasil já está garantido nas quartas de final do Oi Rio Pro, pois os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina e o também paulista Wiggolly Dantas, vão disputar a primeira vaga direta na quarta fase. O potiguar Jadson Andre e outro paulista, Caio Ibelli, também festejaram vitórias nas baterias restantes da repescagem que abriram a sexta-feira de boas ondas de 3-5 pés na "Capital Nacional do Surfe".

Wiggolly Dantas (BRA)  placed 1st in Heat 2 of Round 3 at OI RIO PRO 2017 Wiggolly Dantas WSL / WSL/POULLENOT

O grande destaque do dia foi Wiggolly Dantas. Primeiro, ele derrotou o havaiano Ezekiel Lau de virada, surfando uma onda no minuto final da bateria que fechou a segunda fase. Depois, voltou a mostrar a potência do seu backside nas direitas de Itaúna, achando boas ondas para encaixar uma série de duas manobras fortes abrindo grandes leques de água que arrancaram notas 9,27 e 9,00. Com elas, aumentou o maior placar do Oi Rio Pro para 18,27 pontos, batendo os 18,20 que o australiano Connor O'Leary conseguiu pela manhã em Saquarema.

"Eu me sinto muito bem competindo aqui. Já tive sucesso aqui antes e acho que consigo surfar melhor em ondas poderosas como essas de Itaúna", disse Wiggolly Dantas, que já venceu uma etapa importante do WSL Qualifying Series que era realizada em Saquarema até 2015. "As ondas estavam muito boas na minha bateria e só tentei pegar as melhores e fazer manobras com bastante força. Estou me sentindo bem confiante e já estou pronto pro próximo round".

Adriano De Souza ( Bra)  placed 1st in Heat 1 of Round 3 at OI RIO PRO 2017 Adriano de Souza WSL / WSL/POULLENOT

Antes da grande apresentação de Wiggolly Dantas, o campeão mundial Adriano de Souza tinha acabado de vencer o duelo brasileiro com o pernambucano Ian Gouveia, por 15,67 a 12,33 pontos. Mineirinho começou bem a bateria com nota 7,17 e a segunda foi melhor ainda, acertando uma série de três manobras com pressão e velocidade para tirar 8,50 dos juízes. Depois, controlou a vantagem até o fim, para se tornar o primeiro surfista a ganhar duas chances de classificação para as quartas de final do Oi Rio Pro na Praia de Itaúna.

"É uma sensação muito boa estar competindo no Brasil", disse Adriano de Souza. "É um prazer viajar pelo mundo, conhecer todas as culturas dos outros países, então agora é a nossa vez de aproveitar a energia brasileira. Tenho muito respeito pelo Ian (Gouveia), que já tem o DNA de um ídolo e pioneiro do surfe brasileiro (seu pai, Fabio Gouveia). Eu estou feliz por ter avançado e espero continuar surfando bem nesse campeonato".

Gabriel Medina (BRA) placed 1st in Heat 3 of Round 3 at OI RIO PRO 2017 Gabriel Medina WSL / WSL/POULLENOT

Na terceira bateria, o público foi à loucura com a entrada de Gabriel Medina no mar e ele não decepcionou a torcida, escolheu bem as ondas para manobrar forte de backside e depois usou o aéreo para assumir a liderança da bateria. O australiano Bede Durbidge também atacou uma direita com grandes rasgadas para tirar a maior nota - 7,53 - e somou um 6,33 da sua segunda melhor onda. Já Medina computou um 7,50 com o 6,80 da onda do aéreo para vencer por uma pequena diferença de 14,30 a 13,86 pontos.

"É bom demais ter todo esse apoio da torcida aqui no Brasil", disse Gabriel Medina. "Se achar uma onda boa, é bem divertido pra surfar, mas está bem complicado porque a correnteza é muito forte e fica difícil manter um bom posicionamento no mar lá fora. Foi incrível ouvir todo mundo gritando depois daquele aéreo. Nunca ouvi uma torcida tão alta e isso instiga a gente a surfar no limite. Os brasileiros são assim, então é sempre um prazer dar um show pra eles".

Os outros surfistas que já garantiram passagem para as duas rodadas classificatórias para as quartas de final, nas baterias que fecharam a sexta-feira, foram os australianos Joel Parkinson e Mick Fanning. Curiosamente, eles são os únicos participantes do Oi Rio Pro que competiram na única vez que Saquarema sediou a etapa brasileira da World Surf League 15 anos atrás. Fanning, inclusive, foi vice-campeão na final australiana daquele ano de 2002 com Taj Burrow.

Jadson Andre at the Oi Rio Pro. Jadson Andre WSL / Poullenot

VITÓRIAS BRASILEIRAS - Mais dois brasileiros festejaram vitórias na sexta-feira em Saquarema. O potiguar Jadson André ganhou o primeiro duelo do dia, aproveitando a segunda chance de classificação para a terceira fase do Oi Rio Pro contra o taitiano Michel Bourez. Foi uma disputa acirrada, definida por uma pequena vantagem de 11,00 a 10,27 pontos. O próximo adversário do potiguar é o vice-líder do ranking, Jordy Smith, da África do Sul, na sétima bateria da segunda fase, que ficou para o sábado em Saquarema.

O paulista Caio Ibelli também despachou o francês Joan Duru e está escalado na oitava bateria da terceira fase, com o australiano Adrian Buchan, que eliminou Miguel Pupo na repescagem. Caio foi o primeiro a conseguir uma nota no critério excelente dos juízes na sexta-feira em Itaúna. O 8,70 recebido foi decisivo para garantir a vantagem no placar encerrado em 14,87 a 12,40 pontos. Ibelli ganhou confiança depois de fazer sua primeira final em etapas do World Surf League Championship Tour, sendo vice-campeão do Rip Curl Pro em Bells Beach.

Caio Ibelli at the Oi Rio Pro. Caio Ibelli WSL / Poullenot

OI RIO WOMEN´S PRO - A segunda fase feminina também aconteceu na sexta-feira, entre as baterias restantes da repescagem e as primeiras da terceira fase masculina que fecharam o dia na lotada Praia de Itaúna. A cearense Silvana Lima perdeu o último duelo das meninas para a australiana Keely Andrew e o Brasil está fora da disputa do título do Oi Rio Women´s Pro. Antes, a jovem catarinense de apenas 14 anos, Taina Hinckel, não teve qualquer chance contra a atual campeã mundial, Tyler Wright. A australiana fez novos recordes na Praia de Itaúna - nota 9,67 e 18,00 pontos - para seguir na busca do bicampeonato na etapa brasileira apresentada por Corona e patrocinada pela Oi em Saquarema.

"Quando as condições do mar estão tão imprevisíveis como hoje (sexta-feira), é sempre bom ter uma estratégia antes de entrar na água", disse Tyler Wright. "Com tantas coisas acontecendo na água, é preciso pensar rápido e fazer manobras agressivas pra tirar notas mais altas. Aqui é diferente das outras etapas no circuito, então estudar as ondas antes das baterias faz toda a diferença".

Tyler Wright at the Oi Rio Pro. Tyler Wright WSL / Poullenot

As doze surfistas que chegaram na terceira fase, terão agora duas chances de passar para as quartas de final do Oi Rio Women´s Pro. A primeira será nas baterias de três competidoras, com as vencedoras avançando direto, mas as perdedoras terão outra oportunidade na última repescagem do campeonato. Quatro surfistas continuam na briga pela lycra amarela do Jeep WSL Leader que está sendo usada pela hexacampeã mundial Stephanie Gilmore em Saquarema. A própria, as também australianas Sally Fitzgibbons e Tyler Wright e a norte-americana Courtney Conlogue.

×
×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it