News

Onde Clark Little se sente seguro

Se voc√™ √© um f√£ do oceano e ainda surfa, voc√™ est√° sem d√ļvida, familiarizado com o trabalho de Clark Little. Com mais de 1,8 milh√£o de seguidores no Instagram, ele se tornou um dos fot√≥grafos mais populares do mundo. E com certeza tem uma boa chance de voc√™ j√° ter ouvido a sua incr√≠vel hist√≥ria e de como toda sua carreira de fotografia aconteceu quase que por acidente, mas caso voc√™ n√£o tenha visto ainda, aqui vai uma vers√£o abreviada:

shorebreak A costa norte de Oahu, no Havaí, possui um meio ambiente repleto de potenciais alvos para um fotógrafo com as habilidades de Clark Little. WSL / clark little

A esposa de Clark decide que quer uma foto bem bonita para colocar em sua casa. O ex-surfista profissional, famoso por se atirar no quebra-coco de Waimea, decide economizar dinheiro e pede a c√Ęmera de um amigo emprestada, para tentar ele mesmo capturar uma boa imagem. Ent√£o, ele resolve entrar no mar em um de seus picos favoritos de surf de peito e logo clica uma bela onda. Todos os seus amigos e vizinhos ficam encantados com essa imagem, e come√ßam a fazer pedidos de fotos parecidas com aquela. Em apenas algumas semanas ele j√° estava ganhando um bom dinheiro a mais. Seis meses depois, ele consegue comprar e atualizar todo o seu equipamento e logo em seguida, a revista Surfer lhe oferece um pequeno sal√°rio mensal. Assim, quase dois anos desde o dia em que sua esposa fez seu primeiro pedido, ele comunica a ela e ao seu irm√£o mais velho, Brock Little (uma lenda do surf de ondas grandes), que ele tinha decidido pedir demiss√£o do trabalho que mantinha h√° 17 anos para seguir a carreira da fotografia em tempo integral... Os dois disseram que ele estava louco.

shorepound A carreira de Little foi baseada numa aposta, algo que ele est√° acostumado a fazer. WSL / peter king

Avan√ßando 10 anos na hist√≥ria. Hoje em dia Clark possui uma galeria de arte linda em Haleiwa e dirige uma opera√ß√£o que emprega oito pessoas. Seu trabalho foi retratado em todos os principais ve√≠culos dedicados a fotografia e o levou a ganhar o prestigiado Nature's Best Photography Ocean's Award, o que significou ter seu trabalho exposto por seis meses no famoso museu Smithsonian, em Washington. Por v√°rias vezes foi convidado a dar entrevistas em programas nacionais de TV e uma vez foi requisitado pelo Pr√≠ncipe de Dubai, que √© um grande f√£ de seu trabalho. E no momento, ele est√° fazendo um tour pelo pa√≠s pra promover seu √ļltimo livro e seu recente filme, ambos com o mesmo t√≠tulo: Shorebreak. √Č um projeto que teve a colabora√ß√£o de Peter King, conhecido pela s√©rie de v√≠deos #Tournotes. Com tudo isso, decidimos que era um excelente momento para bater um papo com Clark Little e aprender um pouco mais sobre sua ascendente jornada.

Que turbilh√£o de acontecimentos tem sido essa √ļltima d√©cada para voc√™. √Č t√£o louco isso. H√° 10 anos eu nem sequer tinha uma c√Ęmera. √Äs vezes √© dif√≠cil de entender como tudo isso aconteceu t√£o r√°pido!

Uma sess√£o de fotos de Clark Little.
4:00
Legendary North Shore photographer Clark Little guides Honolua Blomfield into a few thumping pits to get his shot.

Como foi aquele momento em que voc√™ decidiu deixar seu antigo trabalho de lado? Quero dizer, voc√™ estava est√°vel num emprego por 17 anos, voc√™ tinha esposa, filhos, enfim tudo no seu devido lugar. Qu√£o dif√≠cil foi tomar essa decis√£o? Voc√™ sabe, o que √© louco √© que pra mim n√£o foi dif√≠cil. Provavelmente deveria ter sido, porque minha esposa e meu irm√£o ficaram estarrecidos quando eu contei o que eu ia fazer, mas naquela √©poca eu j√° tinha ganho tanta confian√ßa no que eu estava fazendo que eu j√° conseguia visualizar a oportunidade. Foi s√≥ fazer um pouco de matem√°tica. Meu material estava exposto em algumas galerias em Haleiwa e estava sendo muito bem recebido. Eu j√° tinha feito algumas exposi√ß√Ķes, que tamb√©m foram muito bem. A revista Surfer estava me dando uma graninha por m√™s, que basicamente cobria a presta√ß√£o do meu carro. E al√©m disso, as pessoas continuavam me buscando, ent√£o eu sabia que poderia ser feito, eu sabia que eu tinha que fazer isso. Mas realmente foi um ato de f√©.

water shot Clark Little no seu lugar favorito. WSL / peter king

Olhando para tr√°s, qual voc√™ acha que foi a verdadeira chave do seu sucesso? Com certeza foi ter focado estritamente nas ondas de quebra coco. Eu certamente n√£o fui o primeiro a fazer isso, mas com minha experi√™ncia surfando e o cen√°rio perfeito de ondas no meu quintal, eu simplesmente cavei um nicho no mercado e isso foi f√°cil para mim. Foram os primeiros anos, o in√≠cio da fotografia digital e eu podia ficar o dia inteiro na √°gua fazendo experimentos. Eu era o √ļnico cara naquele tempo que estava realmente focado em apenas ir atr√°s desse estilo de imagem e, com isso, minhas fotos se destacaram. Tem muita gente fazendo isso agora, o que na verdade √© √≥timo, mas acho que o fato de ter sido o primeiro foi o que realmente me lan√ßou.

Eu sei que o Peter King tem te seguido bem de perto quando n√£o est√° no Tour. Voc√™s se uniram para fazer seu filme Shorebreak. Qual √© a hist√≥ria por traz dessa parceria? PK e eu nos conhecemos desde sempre. Ele fez um epis√≥dio sobre mim no #Tournotes, h√° um ano ou dois, e foi a√≠ que come√ßamos a falar sobre a ideia de fazer um filme. Ele √© um maluco como eu, quer dizer, n√≥s dois somos t√£o hiperativos e animados que sab√≠amos que t√≠nhamos condi√ß√Ķes de gravar um filme que n√£o nos custaria um milh√£o de d√≥lares. Da√≠ o Peter King me seguiu at√© o quebra coco (Shorebreak). Ele curtiu. E ent√£o foi o que fizemos no ano passado. Lan√ßamos o filme em alguns festivais de cinema aqui e ganhou alguns pr√™mios, foi incr√≠vel! N√≥s nos divertimos tanto! Agora est√° dispon√≠vel no iTunes, o que √© super legal.

Qual foi o seu maior barato dentro de tudo isso? Sabe, s√≥ o fato de ser capaz de falar na frente de multid√Ķes e poder compartilhar hist√≥rias sobre o oceano, j√° foi demais. Como, naqueles festivais de cinema, onde eu tive que me levantar e falar na frente de 1500 pessoas, isso foi uma loucura para mim! Facilmente a maior multid√£o para quem eu j√° falei. Kelly [Slater] estava l√°, e Jack [Johnson] tamb√©m. Mas eu adorei sentar na cadeira de autor, assinar o livro nos dias de lan√ßamento e conversar com outras pessoas que tamb√©m amam o oceano. Acabo conhecendo tanta gente interessante atrav√©s disso, √© incr√≠vel! Quer dizer, como o fato de voar para Dubai s√≥ para conhecer o Pr√≠ncipe, foi uma baita viagem... mas muito legal!

by clark Sim, ele também tira fotos de surf. John John Florence em Waimea durante o Eddie em 2016. WSL / clark little

Bem, n√£o posso deixar voc√™ ir embora sem falar sobre seu irm√£o. √Č muito dif√≠cil acreditar que j√° faz mais de um ano que ele faleceu. Ele deve ter ficado t√£o orgulhoso de ver o que voc√™ conseguiu conquistar. √Č ele estava, sim. E para mim, ouvi-lo dizer √†s pessoas o quanto ele estava orgulhoso de ser meu irm√£o foi incr√≠vel, porque, voc√™ sabe, eu cresci idolatrando ele completamente. Todos n√≥s fizemos isso... Ele era era um figura √©pica. Eu literalmente cresci seguindo seus passos - roubando seus √≥culos e suas roupas e eu amava isso! Eu era o irm√£o do Brock e ele segurou minha m√£o por todo o caminho. Ent√£o minha carreira come√ßou a decolar e ele distribu√≠a meus livros e calend√°rios para todos os seus amigos - eu me lembro do quanto eu estava animado. Ainda n√£o parece que ele se foi. E ele foi t√£o incr√≠vel na maneira em que partiu. Ele encarou como um verdadeiro campe√£o, um guerreiro, e isso tornou tudo mais f√°cil para n√≥s, que t√≠nhamos que seguir em frente, especialmente porque o Brock estava t√£o satisfeito com a vida que teve. Ele viveu uma vida inacredit√°vel. Sinto uma enorme falta dele, mas acho que √© exatamente porque ele viveu sua vida de uma maneira t√£o grandiosa, que ainda parece que ele est√° aqui.

waimea Brock Little foi um her√≥i para os her√≥is. Eloe foi levado pelo c√Ęncer demaisadamente cedo. 2016. Instagram
×
×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it