NewsOuterknown Fiji ProJadson Andre

Italo e Ian brilham nos tubos do Outerknown Fiji Pro

Highlights: Outerknown Fiji Pro
2:15
Acompanhe tudo oque rolou no segundo dia em Cloudbreak.

O potiguar Italo Ferreira e o pernambucano Ian Gouveia brilharam nos tubos de Cloudbreak e s√£o os dois primeiros brasileiros a ganhar duas chances de classifica√ß√£o para as quartas de final do Outerknown Fiji Pro. Eles passaram as baterias da terceira fase que fecharam a segunda-feira de ondas de 6-8 p√©s e o estreante em Fiji, Ian Gouveia, despachou um dos vice-l√≠deres do Jeep WSL Ranking, Owen Wright. Tamb√©m surfando os melhores tubos da √ļltima bateria do dia, Italo derrotou o defensor do t√≠tulo do Fiji Pro, Gabriel Medina, no segundo duelo brasileiro na ilha de Tavarua. Wiggolly Dantas venceu o primeiro contra Jadson Andr√© pela manh√£ e ainda vai disputar a terceira fase, assim como outro vice-l√≠der do ranking, Adriano de Souza.

Italo e Medina brigaram pela vitória onda a onda, desde o tubaço que o bicampeão em Fiji surfou em sua primeira onda e valeu nota 8,10. O potiguar mostrou estar recuperado da contusão no tornozelo que o tirou de três das quatro etapas desse ano e respondeu no mesmo nível, com 7,83 num belo tubo seguido por fortes manobras. Italo escolhe outra onda boa para passar por dentro e receber nota 8,0, abrindo 7,73 pontos de vantagem sobre o campeão mundial. Medina não desiste e na primeira tentativa consegue 6,17. O tempo passa rápido para ele, chega no minuto final e Medina acaba entrando numa onda ruim, que fecha tudo.

Minutos finais da bateria entre Medina e Italo
7:13
Veja como foi o final da bateria com Medina surfando uma onda no √ļltimo minuto.

Mas, dá tempo ainda de pegar a de trás e ele já manda uma rasgada forte com a mão na borda invertendo a direção da prancha sem perder velocidade, atrasa pra encaixar num tubo, na saída desliza num grande floater e finaliza com mais uma manobra explosiva quando já havia soado o sinal de término da bateria. Fica um longo suspense com ambos no mar aguardando a nota que demora a ser divulgada, com a expectativa sendo transmitida ao vivo para o mundo todo. Dos cinco juízes, apenas um achou que Medina mereceu a vitória dando nota 7,80 e a média ficou em 7,37, com Italo Ferreira vibrando pela vitória por 15,83 a 15,47 pontos.

"Isso foi incr√≠vel, muita expectativa e ainda bem que consegui vencer", disse Italo Ferreira. "√Č sempre dif√≠cil enfrentar o Gabriel (Medina), porque ele √© um competidor muito forte. Estou muito feliz por estar aqui competindo novamente, surfando bem, sem press√£o e pegando bons tubos. Eu s√≥ tenho que agradecer a Deus, minha fam√≠lia, minha namorada e todos os meus amigos que sempre est√£o me apoiando. Estou procurando apenas me divertir pegando boas ondas neste lugar incr√≠vel".

Italo Ferreira of Brazil advanced to Round Four of the Outerknown Fiji Pro after defeating defending event champion and good friend Gabriel Medina (BRA) in Heat 4 of Round Three at Cloudbreak. Italo Ferreira WSL / Kelly Cestari

A mesma situa√ß√£o do segundo duelo brasileiro da segunda-feira, tinha acontecido tr√™s baterias antes. Ela abriu a terceira fase e tamb√©m foi decidida no √ļltimo minuto. O favorito era Owen Wright, um dos tr√™s vice-l√≠deres do ranking que foi campe√£o desta etapa em 2015 somando duas notas 10 na grande final, contra um estreante nos tubos de Fiji. Mas, Ian Gouveia j√° tinha surfado bem contra o norte-americano Kanoa Igarashi na repescagem e come√ßou forte contra o australiano, surfando dois tubos na primeira onda para largar na frente com nota 8,33.

Owen Wright passou a ir em v√°rias ondas, enquanto Ian esperava por outra boa. Ele demorou bastante aguardando e acertou na escolha, porque rodou mais um belo tubo que valeu 7,33, deixando o australiano precisando de uma nota excelente pra vencer, 9,33. No √ļltimo minuto, enfim, Owen acha um tuba√ßo, na sa√≠da manda tr√™s manobras potentes e fica o suspense pela nota. Felizmente para Ian Gouveia, ela sai 8,93 e sua vit√≥ria √© confirmada por 15,66 a 15,26.

Ian 8.33
2:40
Ian começa com uma nota excelente contra o Australiano.

"Estou supercontente por finalmente passar da terceira fase pela primeira vez", disse Ian Gouveia, um dos estreantes na elite do CT esse ano. "√Č um sentimento incr√≠vel estar aqui em Fiji competindo e vencer o Owen (Wright) pegando bons tubos na bateria. Ele √© um dos melhores surfistas nessas ondas aqui e eu sabia que teria que fazer algo diferente pra vencer. Eu consegui come√ßar bem a bateria, isso certamente me deu confian√ßa e estou muito feliz".

Com as vitórias na terceira fase, Italo Ferreira e Ian Gouveia terão duas chances de classificação para as quartas de final do Outerknown Fiji Pro e já retornaram ao grupo dos 22 primeiros colocados no ranking, que são mantidos na elite dos top-34 da World Surf League para o ano que vem. Ian vai disputar a primeira vaga direta da quarta fase com os australianos Matt Wilkinson e Julian Wilson. Já os adversários do Italo serão os vencedores da quinta e sexta baterias da terceira fase, que ficaram para abrir a terça-feira. A primeira chamada será as 7h00 em Fiji, 16h00 da segunda-feira pelo fuso horário de Brasília.

Miguel Pupo of Brazil finished equal 13th in the Outerknown Fiji Pro after being defeated by Matt Wilkinson of Australia in Heat 3 of Round Three in overhead conditions at Cloudbreak. Miguel Pupo WSL / Kelly Cestari

Italo e Ian ainda v√£o ter que defender suas vagas no G-22, mas j√° tiraram da lista o norte-americano Conner Coffin e o australiano Jack Freestone. Mais dois brasileiros v√£o fechar essa segunda rodada eliminat√≥ria do campeonato. Wiggolly Dantas vai enfrentar o recordista do segundo dia, o havaiano Sebastian Zietz, na pen√ļltima bateria. E o campe√£o mundial Adriano de Souza, que est√° na briga direta pela lycra amarela do Jeep WSL Leader em Fiji, disputa a √ļltima vaga para a quarta fase com o australiano Stuart Kennedy.

DERROTAS BRASILEIRAS - Enquanto quatro brasileiros seguem na disputa do título do quinto desafio do World Surf League Championship tour, cinco foram eliminados na segunda-feira. Assim como Ian Gouveia, Miguel Pupo competiu duas vezes no segundo dia. Conseguiu ganhar a primeira por 12,00 a 9,23 pontos numa disputa fraca de ondas com o australiano Jack Freestone. Depois, não teve qualquer chance contra Matt Wilkinson, vice-campeão na final do ano passado com Gabriel Medina.

Jadson Andre of Brazil placed second in Heat 7 of Round One at the Outerknown Fiji Pro in excellent Cloudbreak conditions. Jadson Andre WSL / Kelly Cestari

O australiano pegou todas as ondas boas que entraram na bateria para vencer fácil por 16,84 a 5,67 pontos. Pupo terminou empatado em 13.o lugar no Outerknown Fiji Pro com Gabriel Medina, barrado por Italo Ferreira no segundo duelo brasileiro nas eliminatórias disputadas na segunda-feira. O primeiro foi entre o paulista Wiggolly Dantas e o potiguar Jadson André pela repescagem. Jadson largou na frente, mas Guigui surfou um longo tubo que rendeu uma nota 8,17 decisiva para garantir a vitória por 14,77 a 12,27 pontos.

Além de Jadson André, outros dois brasileiros já haviam perdido nas baterias da repescagem que abriram a segunda-feira em Cloudbreak, o catarinense Yago Dora e o baiano Bino Lopes. O convidado da World Surf League para essa etapa, Yago Dora, até começou bem no primeiro confronto do dia, porém só conseguiu pegar mais uma onda e foi derrotado pelo australiano Joel Parkinson por uma pequena diferença de 10,66 a 10,33 pontos.

Bino Lopes of Brazil placed second in Heat 4 of Round One in the Outerknown Fiji Pro at Cloudbreak, Fiji. Bino Lopes WSL / Ed Sloane

MELHORES DO DIA - Na segunda bateria, os tubos começaram a aparecer e o havaiano Sebastian Zietz surfou três ondas de forma incrível contra o substituto do contundido Caio Ibelli. No melhor deles, os juízes deram 9,43. No outro, Zietz saiu do tubo já em cima da afiada bancada de corais de Cloudbreak e recebeu nota 9,00 para fazer o segundo maior placar do campeonato, 18,43 pontos, contra apenas 9,53 das duas ondas computadas por Bino Lopes.

O taitiano Michel Bourez permanecia como o recordista absoluto do Outerknown Fiji Pro, com a nota 9,53 e os 18,77 pontos que atingiu em sua estreia no domingo. Até o francês Jeremy Flores bater uma das suas marcas na melhor onda surfada em Cloudbreak nestes dois primeiros dias. Ele pegou um tubaço, saiu e entrou em outro muito difícil que terminou numa sessão muito perigosa. Um dos cinco juízes chegou a dar nota 10 para ele e a média ficou em 9,57. Com ela, Jeremy Flores despachou o americano Nat Young por 17,57 a 11,10 pontos.

Wiggolly Dantas of Brazil advanced to Round Three of the Outerknown Fiji Pro after defeating Jadson Andre of Brazil in Heat 7 of Round Two in overhead conditions at Cloudbreak. Wiggolly Dantas WSL / Kelly Cestari
×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it