NewsCorona Open J-Bay

Os gigantes de J-Bay

Nos últimos 15 anos, o Corona Open J-Bay foi dominado por quatro surfistas: Kelly Slater, Mick Fanning, Joel Parkinson e Jordy Smith. Desde o primeiro título de Mick Fanning em J-Bay, conquistado em 2002, apenas dois outros surfistas fora deste grupo colocaram as mãos no troféu de vencedor: o saudoso e grandioso Andy Irons, em 2004, durante uma das campanhas para seus três títulos mundiais, e Taj Burrow, em 2007, talvez o melhor surfista profissional a nunca ter conquistado um título mundial. Slater e Fanning compartilham o recorde de maior número de vitórias, com quatro eventos cada. Parkinson e Smith são os mais próximos na fila, ambos com um par de títulos em sua mala de troféus.

Fanning Wins His Fourth
6:14
O três vezes Campeão Mundial chegou à sua quarta vitória consecutiva em J-Bay com suas rasgadas clássicas, e terminou sendo carregado triunfante até o pódio.

O que faz com que tudo isso remeta à citação do Campeão do Mundo de 1977 e lenda da África do Sul, Shaun Tomson, sobre J-Bay: "é fácil de surfar, mas é difícil de ser bem surfada ". Para realmente brilhar, a onda na baía de Jeffreys requer uma performance excepcional, e tem sido uma indicadora de quem possui talento de classe mundial. Junto com G-Land e Kirra, J-Bay foi um dos eventos originais postos em prática pelo então diretor do CT, Wayne "Rabbit" Bartholomew, em meados da década de 1990, durante os dias seminais do Dream Tour. Você pode adivinhar quem ganhou o evento inaugural em 1996? Quem mais, senão Kelly Slater.

Jordy Smith winning Heat 1 of Round Three. Jordy Smith WSL / Kelly Cestari

Slater teve seu maior domínio há uma década, em meados dos anos 2000, quando venceu em 2005 e 2008 e terminou em segundo lugar para Taj Burrow em 2007. Mas, apesar de suas quatro vitórias na carreira em J-Bay, Slater não ganha lá desde 2008 e não chegou nem a sentir o gostinho de uma final desde então. Houve ocasiões em que surfou a onda brilhantemente, afinal de contas ele ainda é Kelly "Freakin" Slater, mas nos últimos anos, o melhor de todos os tempos nunca disparou numa daquelas atropeladas devastadoras pelas quais é tão famoso..

Slater at J-Bay
1:30
O 11x Campeão do Mundo manteve o pé no acelerador no quarto round para levar duas notas 9.

Fanning, por outro lado, chegou a todas as finais desde 2011 (o evento não fez parte do CT em 2012 e 2013). Sua derrota para Smith em 2011 pôs em movimento seu reinado atual, incluindo seus triunfos em 2014 e 2016. Isso sem mencionar a inacabada e famosa bateria final com três participantes em 2015, entre Fanning, um heróico Julian Wilson e um anônimo tubarão branco de 12 pés. Fanning parece estar melhorando em J-Bay com a idade e suas estatísticas são notáveis: de um total de 58 baterias, sua porcentagem vencedora é de 81%, superando os 76% de Slater.

Ao lado de Fanning, o surf de Parkinson talvez seja o que mais se encaixa com perfeição nas alinhadas direitas de Supertubes. Ele tem o segundo maior total de baterias surfadas, com 65 (uma a menos do que Slater, que chegou a 66) e o terceiro melhor percentual de vitórias, com 71%. O caso de amor de Parko com J-Bay começou com sua vitória em 1999 como wildcard de apenas 18 anos de idade, quando ele venceu Ross Williams na final. Para colocar em perspectiva a longevidade de Parko surfando em nível de elite, considere que Williams se aposentou em meados dos anos 2000 e agora é o técnico do atual Campeão do Mundo John John Florence. Sua última vez numa final em J-Bay foi em 2014, perdendo para seu parceiro de treino e companheiro de Coolangatta, Mick Fanning, em uma bateria fortemente disputada.

Joel Parkinson placed second in Heat 10 of Round One. Joel Parkinson WSL / Kelly Cestari

A influência de Parkinson continua sendo sentida até hoje. Na condição de um garoto sul-africano de olhos arregalados, Jordy Smith viu com admiração a vitória inesperada de Parko como wildcard. Foi uma enorme inspiração e motivação para o prodígio com, na época, 11 anos de idade, que surfava os beach breaks de Durban. Antes de um par de temporadas lesionado no início desta década, Jordy venceu seguidamente em J-Bay, em 2010 e 2011, suas duas primeiras vitórias na carreira acontecendo em território nativo. Aparentando estar melhor preparado e mais saudável do que em muitos anos, seu primeiro lugar este ano em Bells, outra onda notoriamente difícil de ser surfada em alto nível, é um bom presságio para o grandalhão.

Acompanhe Smith, Slater, Fanning, Parkinson e o resto dos Top 32 surfando ao vivo em J-Bay, de 12 a 23 de julho.

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it