NewsMaui and Sons Pichilemu Women's Pro

Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro define uma nova campeã neste domingo

Uma nova campeã do Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro by Royal Guard será conhecida neste domingo no Chile. A defensora do título, Sofia Mulanovich, perdeu a classificação no último minuto para a mesma Leilane McGonagle que derrotou na final do ano passado. A surfista da Costa Rica vai disputar a última vaga para as semifinais com a norte-americana Autumn Hays. A primeira será entre a líder do ranking sul-americano da WSL South America, Anali Gomez, do Peru, e a argentina Josefina Ané. Na segunda quarta de final, a australiana Freya Prumm enfrenta a nova recordista absoluta nas ondas desafiadoras de Punta de Lobos, Leticia Canales Bilbao, do País Basco. E na terceira, estão a jovem peruana Daniela Rosas e a americana Marissa Shaw.

Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Maui and Sons Pichilemu Women's Pro WSL / WSL South America

A primeira chamada para as quartas de final foi marcada para as 12h00 no domingo em Pichilemu. O motivo de ser um pouco mais tarde no último dia é porque a maré estará secando e a previsão indica a chegada de um novo swell (ondulação) no início da tarde. Nos dois primeiros dias do QS 1500 Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro, as meninas competiram em condições difíceis, com ondas pesadas de 6-8 pés na sexta-feira, baixando um pouco para 4-6 pés no sábado, com séries maiores entrando durante as duas fases que definiram as oito classificadas para as quartas de final.

O sábado já começou quente, com as líderes do ranking regional da WSL South America na primeira bateria. A número 1, Anali Gomez, só conseguiu pegar sua segunda onda no último minuto e a peruana aproveitou muito bem a chance para vencer com a nota 7,00 recebida. A vice-líder, Dominic Barona, estava na frente com apenas 7,95 e passou em segundo lugar, com ambas barrando duas chilenas, Adela Recordon e Trinidad Segura, que trabalha na organização do Maui and Sons Pichilemu Pro além de competir.

Anali Gomez - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Anali Gomez WSL / Max Petit-Breuilh

"Eu estava um pouco tensa no início da bateria, um pouco nervosa porque não conseguia pegar ondas nos primeiros 10 minutos. Mas, no final surgiu aquela onda perfeita e estou muito contente pela classificação para o domingo", disse Anali Gomez, que venceu a segunda etapa do WSL Qualifying Series na América do Sul em casa, assumindo a liderança do ranking sul-americano com o título em San Bartolo, no Peru.

Depois de competir na primeira bateria do dia, Anali também participou da primeira batalha por vagas nas quartas de final e ganhou outra nota 7,0 para vencer por 10,90 pontos, contra 10,75 da australiana Freya Prumm. Em terceiro lugar ficou a peruana Melanie Giunta com 6,90 e em quarto a última brasileira na competição, Karol Ribeiro, com 6,0 pontos nas duas notas computadas. Essa bateria foi um pouco fraca de boas ondas, mas na seguinte Punta de Lobos bombou longas esquerdas e cada competidora teve duas chances para surfar.

Leticia Canales - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Leticia Canales WSL / Xabier Azcarate

RECORDISTA ABSOLUTA - A surfista do País Basco, Leticia Canales Bilbao, foi quem melhor aproveitou e estabeleceu novos recordes no Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro. Ela ganhou nota 7,0 na primeira onda e 9,5 na segunda, avaliada pelos juízes como a melhor apresentação deste ano no mar pesado de Punta de Lobos. Os 16,50 pontos superaram os 16,00 da peruana Sofia Mulanovich na primeira rodada do sábado. A argentina Josefina Ané também surfou uma onda excelente nota 8,75 e passou junto com Leticia Bilbao para as quartas de final com 14,50 pontos.

"Estou muito feliz porque meu surfe está fluindo mais uma vez e estou conseguindo mostrar mais minhas manobras aqui", disse Leticia Canales Bilbao. "Eu já estou competindo há muitos anos, então agora tento desfrutar ao máximo dos momentos que estou vivendo. Agora estou conhecendo uma nova onda e conseguindo passar as baterias, então está tudo perfeito. Esse lugar é um paraíso, com longas esquerdas. É um pouco difícil de achar as boas, mas as ondas são excelentes para surfar".

Dominic Barona - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Dominic Barona WSL / Xabier Azcarate

Leticia Canales e Josefina Ané acabaram eliminando a vice-lider do ranking regional da WSL South America, que estava nessa bateria. A equatoriana Dominic Barona ficou em terceiro lugar com 10,75 pontos e a norte-americana Bethany Zelasco em último com 7,10 nas duas ondas. Com a derrota, Anali Gomez pode aumentar a vantagem na corrida pelo título sul-americano. A peruana já tinha passado para as quartas de final e tem chance de aumentar ainda mais sua pontuação se for avançando na competição

DEFENSORA DO TÍTULO - Após a inesperada saída da cabeça de chave número 1 do Maui and Sons Pichilemu Pro, Dominic Barona, 15.a colocada no ranking do WSL Qualifying Series e vice-líder do Sul-americano, caiu a defensora do título no Chile. E foi de forma dramática, no último minuto da bateria e por décimos de diferença. A campeã mundial Sofia Mulanovich foi finalista nas duas últimas edições da etapa chilena e começou bem a bateria com seu ataque vertical de backside nos pontos mais críticos das esquerdas de Punta de Lobos. Ela já tinha feito os recordes do campeonato na fase anterior - nota 9,0 e 16,00 pontos - e largou na frente com nota 8,50.

Jessica Anderson - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Jessica Anderson WSL / Xabier Azcarate

Suas adversárias também surfaram bem suas primeiras ondas, com a costa-ricense Leilani McGonagle ganhando 7,15 e a chilena Jessica Anderson recebendo nota 7,00 dos juízes. A da peruaninha Daniela Rosas, de apenas 15 anos de idade, valeu 6,0, mas logo ela pegou uma segunda onda boa para tirar 7,10 e com estes 13,10 pontos venceu as duas finalistas do ano passado no QS 1500 do Chile. O máximo que a experiente Sofia Mulanovich conseguiu em sua segunda nota foi 2,90 e ainda assim estava passando em segundo lugar até o último minuto.

Foi quando entrou uma série para as outras duas surfistas pegarem ondas, só que ambas não conseguiram fazer muitas manobras. Mesmo assim, fizeram o suficiente para deixar a defensora do título em último lugar, mas foi por décimos de diferença. Leilani McGonagle vingou a derrota na final do ano passado e ficou com a segunda vaga da bateria por 11,90 pontos, contra 11,50 de Jessica Anderson e 11,40 da Sofia Mulanovich.

Daniela Rosas - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Daniela Rosas WSL / Max Petit-Breuilh

"Estou muito feliz em passar essa bateria, que era muito difícil, então só tentei ficar relaxada e surfar bem as minhas ondas", disse Daniela Rosas. "Eu sabia que tinha que dar tudo de mim para passar. Eu nunca tinha vencido a Sofia (Mulanovich), mas procurei só fazer o meu surfe, me divertir, surfar bem, porque todas nós estamos aqui para mostrar nosso melhor".

DOBRADINHA AMERICANA - Na bateria que fechou o sábado, uma dobradinha norte-americana tirou a última chilena da disputa do título do Maui and Sons Pichilemu Pro. Autumn Hays e Marissa Shaw arriscaram mais nas ondas para tirar notas mais altas e ganharam as duas últimas vagas para as quartas de final. Hays venceu por 14,00 pontos com notas 7,25 e 6,75 e Shaw passou em segundo com 12,20. Recordista de pontos na sexta-feira, a chilena Natalia Escobar ficou em terceiro lugar com 9,50 e a argentina Lucia Cosoleto em quarto com 8,95.

Marissa Shaw - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Marissa Shaw WSL / Xabier Azcarate

"Estas foram uma das melhores ondas que eu já surfei em campeonatos", disse Autumn Hays. "As esquerdas são perfeitas e foi muito bom pegar umas boas para fazer manobras que não consigo fazer muito nos eventos, pois a maioria dos QS acontecem em ondas bem menores. E aqui é como minha casa, entrando no mar saltando das rochas, usando botas, então me senti confortável. Eu estava um pouco nervosa antes da bateria, porque todas as meninas estão surfando muito bem, mas deu tudo certo e estou feliz por ter vencido".

SEIS PAÍSES NO DOMINGO - As norte-americanas começaram no Maui and Sons Pichilemu Pro com o segundo maior número de inscritas. No sábado, também só tinham menos surfistas do que o Chile e chegam no domingo decisivo com duas concorrentes ao título como o Peru, de Anali Gomez e Daniela Rosas. Dos doze países representados nesta quarta edição da etapa chilena, só metade continua na disputa do título, os Estados Unidos, Peru, a Argentina com Josefina Ané, a Austrália com Freya Prumm, a Costa Rica com Leilani McGonagle e o País Basco com a nova recordista absoluta nas ondas de Punta de Lobos, Leticia Canales Bilbao.

Autumn Hays - Maui and Sons Pichilemu Women's Pro Autumn Hays WSL / Max Petit-Breuilh

O Chile, Brasil e Equador, saíram da briga pela vitória em Punta de Lobos na rodada classificatória para as quartas de final que fechou o sábado. A brasileira Karol Ribeiro perdeu na primeira bateria, na segunda caiu a equatoriana Dominic Barona e as chilenas Jessica Anderson e Natalia Escobar ficaram em terceiro lugar nas duas últimas do dia. Na fase anterior, já haviam sido eliminadas a última havaiana e a única surfista de Porto Rico, enquanto a única representante do Taiti, não passou da sexta-feira.

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it