NewsRed Nose São Sebastião Pro Maresias

Red Nose São Sebastião Pro define os 16 finalistas no show de surfe na sexta-feira em Maresias

Em mais um dia de boas ondas na Praia de Maresias lotada na sexta-feira, os surfistas deram um show na disputa pelas dezesseis vagas para a rodada classificatória para as quartas de final do Red Nose São Sebastião Pro. O paulista Marcos Corrêa bateu todos os recordes do evento com a primeira nota 10 em um aéreo incrível e os 18 pontos que totalizou em sua estreia no QS 3000 de São Sebastião. Ele acabou eliminado na última bateria do dia, vencida por outro paulista, Wesley Santos, que segue na busca pelo troféu de campeão sul-americano da WSL South America. Agora, basta apenas um terceiro lugar na sua primeira bateria do sábado para tirar o título do peruano Alonso Correa, que não veio defender a liderança no Brasil.

Wesley Santos - Red Nose São Sebastião Pro Wesley Santos WSL / Daniel Smorigo

"Caraca, foi demais e eu quase morri do coração lá dentro. Mas deu tudo certo e quando é pra ser, ou o que tiver que ser, será. Está tudo nas mãos de Deus", disse Wesley Santos. "Eu até estava um pouco tranquilo, porque sabia que se a onda viesse, eu ia conseguir mandar minhas manobras. Elas vieram e não deixei de aproveitar as oportunidades pra ganhar as notas que precisava pra me classificar. Agora, a conta está diminuindo, mas meu foco continua sendo surfar bem bateria por bateria, onda a onda, porque se tiver que vir o título pra mim, ele virá".

Na primeira participação de Wesley Santos na sexta-feira, ele passou em segundo lugar na disputa vencida pelo baiano Bino Lopes. Depois, ganhou o confronto que fechou o dia, quando o novo recordista absoluto do Red Nose São Sebastião Pro, Marcos Corrêa, acabou sendo eliminado em terceiro lugar. Ele perdeu a briga pela última vaga para a rodada classificatória para as quartas de final para o pernambucano Gabriel Farias.

Marcos Correa - Red Nose São Sebastião Pro Marcos Correa WSL / Daniel Smorigo

RECORDISTA ABSOLUTO - Na melhor apresentação da semana na Praia de Maresias, o paulista Marcos Corrêa, de São Vicente, achou boas rampas para voar e completou um "full rotation" muito alto de backside, que recebeu nota 10 unânime dos cinco juízes. Depois, ainda surfou mais duas ondas boas e na última mandou outro aéreo que arrancou nota 8,0 para totalizar incríveis 18 pontos de 20 possíveis em sua estreia no QS 3000 de São Sebastião.

"Estou muito feliz por ter tirado uma nota 10", vibrou Marcos Correa. "No começo da bateria, fiquei uns 8 minutos sem pegar ondas, mas eu tinha que esperar a boa para arriscar tudo. Veio aquela direita, eu mandei um full rotation animal de backside e graças a Deus completei a manobra e ganhei o 10. Depois, ainda peguei duas ondas boas e na última fiz meu backup com uma nota 8,0 para vencer a bateria com a glória do Senhor Jesus".

Yago Dora - Red Nose São Sebastião Pro Yago Dora WSL / Daniel Smorigo

MELHOR BATERIA - Antes de Marcos Corrêa ser eliminado, aconteceu uma das baterias mais adrenalizantes do Red Nose São Sebastião Pro, com dois surfistas chegando perto das suas marcas. O catarinense Yago Dora usou os aéreos para fazer a segunda maior pontuação do campeonato, 16,33 pontos somando notas 8,33 e 8,00.

Já o paulista Miguel Pupo, que mora em Maresias e já venceu o QS de São Sebastião em 2015, preferiu usar a força das suas manobras nas partes mais críticas das ondas. A última que Pupo surfou valeu a segunda maior nota do evento - 8,87 - para atingir 16,74 pontos. Esses números só ficaram abaixo da nota 10 e dos 18 pontos que Marcos Corrêa tinha registrado na manhã da sexta-feira de boas ondas em Maresias.

Miguel Pupo - Red Nose São Sebastião Pro Miguel Pupo WSL / Daniel Smorigo

"Eu sabia que ia ser uma bateria difícil, porque o Bino (Lopes) é um grande competidor, o Dudu (Eduardo Motta) é um atleta excepcional da nova geração e o Yago (Dora) dispensa comentários, é atleta do CT como eu fui muitos anos e sei o quanto é difícil estar lá, então eu tinha que dar o meu melhor o tempo inteiro", disse Miguel Pupo, que preferiu usar as manobras nas ondas do que os aéreos, que vinham tirando as maiores notas dos juízes.

"Eu sabia que o Yago ia arriscar os aéreos e eu também sei mandar os aéreos, mas eu sabia que com a força do meu surfe, ia conseguir tirar as notas com outras manobras e foi o que aconteceu", continuou Miguel Pupo, que segue tentando outra vitória em Maresias. "Eu estou sempre em busca de um segundo título aqui em Maresias. É o lugar que eu moro há muito tempo e onde tenho a oportunidade de criar minha família na beira do mar. Eu já tenho uma filha e minha mulher está grávida mais uma vez, então estou superfeliz com minha vida, com as bênçãos que Deus tem derramado sobre ela e vamos com tudo para o próximo rounde".

Alex Ribeiro - Red Nose São Sebastião Pro Alex Ribeiro WSL / Daniel Smorigo

O catarinense Yago Dora saiu do mar em primeiro na bateria, mas foi superado na última onda por Miguel Pupo: "Hoje (sexta-feira) foi um dia incrível, com várias notas altas. Foi um dia irado de campeonato e estou feliz por ter conseguido fazer essa bateria boa agora. Estou amando estar aqui nesse evento e espero passar mais algumas baterias ainda. Eu gosto muito de Maresias. Não só da onda, mas o lugar também. Eu me sinto muito bem aqui, então quando apareceu essa etapa no calendário, eu já reservei meu tempo pra vir pra cá, porque é um evento que eu gosto muito de participar".

QUINTA FASE - Essas baterias que fecharam a sexta-feira, definiram os últimos classificados para disputar as vagas para as quartas de final na quinta fase do Red Nose São Sebastião Pro. Dos 112 participantes de trezes países, restaram dezesseis, sendo treze do Brasil, o norte-americano Nolan Rapoza, o espanhol Vicente Romero e o francês Nomme Mignot. A primeira bateria valendo vagas para a quinta fase foi vencida pelo jovem pernambucano Douglas Silva, que não perdeu nenhuma desde da que abriu o campeonato na quarta-feira.

Douglas Silva - Red Nose São Sebastião Pro Douglas Silva WSL / Daniel Smorigo

"Estou seguindo no mesmo foco de buscar esse título aqui. Estou instigado, com equipamento bom e mentalidade boa pra ir com tudo pra cima de todos", disse Douglas Silva. "Eu respeito todos os atletas que estão nas baterias, são oponentes muito fortes e cada fase que passa o funil vai apertando. Você vai pegando atletas mais experientes, até da elite do surfe mundial e os que estão vindo de baixo com muita sede de ganhar. Mas, é isso, aí, vou seguindo meu foco com minha ganância de ganhar, então vou com tudo mesmo".

TÍTULO SUL-AMERICANO - Douglas Silva vai disputar as duas primeiras vagas para as quartas de final em um confronto 100% brasileiro, contra o catarinense Mateus Herdy e os paulistas Samuel Pupo e Robson Santos. Na segunda, estão dois estrangeiros, o americano Nolan Rapoza e o espanhol Vicente Romero, contra o baiano Yagê Araujo e outro paulista, Jessé Mendes.

Vicente Romero - Red Nose São Sebastião Pro Vicente Romero WSL / Daniel Smorigo

A terceira será outra bateria brasileira, entre o catarinense Yago Dora, o pernambucano Gabriel Farias e mais dois paulistas, Alex Ribeiro e Tamaê Bettero. E a última pode definir o título sul-americano de 2018 para Wesley Santos, se ele ficar no mínimo em terceiro lugar na bateria contra o também paulista Miguel Pupo, o cearense Michael Rodrigues e o francês Nomme Mignot. A primeira chamada do sábado será as 8h00 na Praia de Maresias.

World Surf League
Download it for free on the App store. Download it for free on Google Play.
Download
Download