Quiksilver Pro Gold Coast

Adriano de Souza também chega nas quartas de final na Austrália

WSL South America

Highlights Quik Pro Gold Coast
Acompanhe os melhores momentos do dia em que foram decididas as ultimas vagas nas quartas de final

O defensor do título, Filipe Toledo, não competiu na terça-feira e vai disputar a primeira vaga com Joel Parkinson, que barrou o estreante Caio Ibelli. Adriano de Souza teve que batalhar para superar outro novato, o americano Conner Coffin, agora terá um novo confronto com o australiano Matt Wilkinson, que o derrotou na quarta fase. A etapa de abertura do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2016 pode ser encerrada nesta quarta-feira na Austrália, noite de terça-feira no Brasil.

"Eu tive que lutar muito para vencer essa bateria", disse Adriano de Souza. "O Conner (Coffin) é um garoto muito talentoso e ele começou a bateria muito bem, com nota 8. Então logo vi que quando eu tivesse a oportunidade de surfar uma onda boa eu teria que fazer o meu melhor possível para poder vencer. As condições estavam difíceis, não vinham muitas ondas, então não poderia desperdiçar nenhuma chance. Estou feliz que deu tudo certo".

Adriano de Souza staying focused before his Round 5 heat. Adriano de Souza garante a vaga nas quartas - WSL / Kirstin Scholtz

As meninas também competiram na terça-feira e mais uma vez fizeram grandes apresentações com um surfe de alto nível nas direitas de Snapper Rocks. Foram oito baterias eletrizantes disputadas para definir as semifinalistas do Roxy Pro Gold Coast. A tricampeã mundial Carissa Moore, que defende o título desta etapa, vai disputar a primeira bateria com a mesma australiana Tyler Wright que enfrentou na briga pela vaga na grande final do ano passado. A outra será disputada pela vice-campeã mundial Courtney Conlogue e pela francesa Johanne Defay, que barrou a estreante do ano de 2015, Tatiana Weston-Webb, do Havaí.

A quinta fase do Quiksilver Pro Gold Coast foi iniciada após as quartas de final femininas, mas não começou bem. As ondas simplesmente sumiram de Snapper Rocks. O australiano Joel Parkinson e o brasileiro Caio Ibelli ficaram 20 minutos sem surfar nada, a bateria foi reiniciada duas vezes, eles chegaram até a sair do mar, mas voltaram e logo as séries entraram na bancada para eles poderem se apresentar para os juízes.

Caio Ibelli during Round 5. Caio Ibelli foi até o quinto round em sua estréia no WCT - WSL / Kelly Cestari

Parkinson é um dos melhores surfistas em Snapper Rocks, já venceu essa etapa duas vezes, sabe onde entram as melhores ondas e conseguiu achar duas muito boas, abrindo uma parede mais longa para mostrar a potência e variedade das suas manobras. Ele começou melhor a bateria com nota 7,17, mas somou as duas que recebeu no critério excelente para vencer por 16,07 a 12,66 pontos. Caio Ibelli tentou superar o australiano com uma boa variedade de manobras modernas, mas não achou ondas com potencial para tirar notas mais altas e ficou com uma boa nona colocação em sua estreia na divisão de elite da World Surf League.

"Depois de tanto esperar pelas ondas, nós dois tivemos oportunidades de surfar boas ondas na bateria", disse Joel Parkinson. "As ondas do Caio (Ibelli) talvez não tenham sido tão longas, mas ele fez boas manobras, grandes rasgadas, surfou bem também. Fazia tempo que eu não conseguia dois oitos numa bateria e eu queria realmente fazer uma bateria com pontuação alta para aumentar a minha confiança".

Conner Coffin during Round 5. Conner Coffin surfou muito mas não conseguiu passar por Adriano - WSL / Kelly Cestari

Na bateria seguinte, Adriano de Souza remou na primeira onda da série que entrou após o sinal de início e logo viu que deixou a melhor para o adversário. A sua não rendeu muita coisa e a do americano Conner Coffin foi bem mais longa para ele fazer várias manobras e largar na frente com nota 8,0. O campeão mundial falha em duas ondas seguidas, mas depois acha uma boa para mostrar o seu surfe jogando água nas rasgadas e batidas verticais para entrar na briga com 7,33. Coffin mantém a ponta com uma nota baixa e fica com a prioridade de escolha da próxima onda aguardando por uma série maior que estava escassa na terça-feira.

O americano foi deixando passar as que ele achava ruins e Mineirinho ia aproveitando. Pegou uma encostado nas pedras de Snapper Rocks, a onda começou pequena, mas reformou na segunda sessão com uma boa formação para tirar nota 6,33 e assumir a ponta. Aí veio outra longa calmaria. Conner Coffin continuou esperando pelas séries, o tempo foi passando, chegando ao fim e Adriano ainda faz outra onda parecida, aproveitando qualquer espaço pra manobrar com força e velocidade e aumentar a vantagem com nota 6,43. Só no final da bateria o americano pega outra onda, mas era pequena para conseguir os pontos que precisava e a vitória do campeão mundial foi confirmada por 13,76 a 12,77 pontos.

The start of another gorgeous day at the Quiksilver Pro. Quiksilver Pro Gold Coast - Snapper Rocks - WSL / Brett Skinner

Depois da segunda classificação brasileira para as quartas de final, os australianos ganharam as duas últimas vagas nas baterias que fecharam a terça-feira em Snapper Rocks. Adrian Buchan derrotou o americano Kanoa Igarashi por uma larga vantagem de 16,04 a 9,87 pontos, assim como Stu Kennedy que fez os recordes do dia - nota 9,00 e 17,67 pontos - com um surfe potente de manobras explosivas contra o havaiano Sebastian Zietz. Buchan vai enfrentar outro americano nas quartas de final, Kolohe Andino, enquanto Kennedy pega outro havaiano, John John Florence, na disputa pela última vaga para as semifinais.