Hurley Pro at Trestles

Hurley Pro at Trestles começa quarta-feira na Califórnia

WSL South America

Começa nesta quarta-feira (07) o prazo do Hurley Pro e do Swatch Women´s Pro em Trestles, que vai até o dia 18 de setembro em San Clemente, na Califórnia. A disputa dos títulos mundiais no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2016 entra na sua reta final nos Estados Unidos. Esta será a oitava das onze etapas masculinas e a sétima das dez provas que vão decidir a campeã da temporada feminina. As ondas de Lower Trestles são consideradas como uma das melhores para o surfe de alta performance, com paredes perfeitas para a execução de manobras de borda e as aéreas também para os melhores surfistas do mundo darem um show na Califórnia.

Hurley Pro Hurley Pro - WSL / Sean Rowland

Pela primeira vez no ano, desde que recebeu a lycra amarela do Jeep WSL Leader do campeão mundial Adriano de Souza, após a vitória na etapa que abriu a temporada na Gold Coast, ela não estará sendo usada pelo australiano Matt Wilkinson. O havaiano John John Florence assumiu a ponta com o vice-campeonato na final contra Kelly Slater no Billabong Pro Tahiti nos tubos de Teahupoo e vai defender a liderança na Califórnia. Além dos dois, só o campeão mundial de 2014, Gabriel Medina, vai brigar pela ponta do ranking no Hurley Pro at Trestles.

Mesmo perdendo duas finais consecutivas, para Mick Fanning no J-Bay Open da África do Sul e para Slater no Taiti, o campeão do Oi Rio Pro no Brasil, John John Florence, conseguiu abrir uma boa vantagem de 3.900 pontos sobre Matt Wilkinson, que está apenas 300 pontos à frente de Gabriel Medina. A condição mínima para o brasileiro e o australiano ultrapassar os atuais 39.900 pontos do havaiano é chegar nas quartas de final em San Clemente, desde que ele não vença nenhuma bateria em Trestles. Mas, John John garante a primeira posição se passar para as semifinais, mesmo que Wilko ou Medina ganhem o campeonato.

Adriano de Souza at the 2016 Hurley Pro. Adriano de Souza - WSL / Sean Rowland

"Significaria muito para mim ter meu nome gravado no troféu do título mundial, certamente", disse John John Florence, durante a coletiva de imprensa na terça-feira. "É o objetivo da minha vida ser campeão mundial, mas não fico pensando muito sobre isso. Nós ainda temos muitos campeonatos nessa temporada e não quero colocar nenhuma pressão sobre mim mesmo. Estou feliz por ser o primeiro do ranking, mas só quero mesmo continuar focando no meu surfe. O trabalho vem dando certo e por isso vou me manter nesse caminho".

Dos três envolvidos na disputa pela liderança, Gabriel Medina será o primeiro a competir, na quarta bateria com o australiano Adam Melling e outro brasileiro, Alex Ribeiro. Matt Wilkinson entra no confronto seguinte com os norte-americanos Conner Coffin e Tanner Gudauskas, um dos convidados da única etapa do CT masculino na Califórnia. O outro é Brett Simpson, que venceu a triagem e vai enfrentar o lycra amarela John John Florence e o australiano Davey Cathels na sexta das doze baterias da primeira fase.

Gabriel Medina at the 2016 Hurley Pro. Gabriel Medina - WSL / Sean Rowland

"Vai ser difícil, mas estou feliz por estar na corrida do título mundial mais uma vez", disse Gabriel Medina. "Eu espero conseguir um bom resultado agora para ficar em uma boa posição para as próximas etapas. Eu venho treinando forte e fazendo uma rotina semelhante à de quando ganhei o título dois anos atrás, trabalhando bastante para tentar levar outro título para o Brasil. Eu sei bem como são essas ondas de Trestles e o que preciso fazer para surfar bem aqui. Minhas pranchas também estão boas e toda minha concentração está na água agora".

Depois da primeira apresentação dos três principais concorrentes ao título, na sétima bateria estreia o atual campeão mundial Adriano de Souza, junto com o também brasileiro Wiggolly Dantas e o australiano Matt Banting. Mineirinho foi finalista do Lower Pro at Trestles no ano passado, sendo novamente derrotado por Mick Fanning como em Bells Beach, na Australia. Foi nessa etapa que o brasileiro perdeu a lycra amarela para o australiano, que ficou com ela até o último desafio da temporada, quando Adriano de Souza se sagrou campeão mundial vencendo a final brasileira com Gabriel Medina no Billabong Pipe Masters do Havaí.

John John Florence in his Round 1 matchup against Italo Ferreira and Ricardo Christie. John John Florence - WSL / Jimmy Wilson

"É uma sensação incrível ter o meu nome no troféu dos campeões mundiais e estou muito feliz com o meu ano até agora, mesmo estando em sétimo no ranking", disse Adriano de Souza. "A corrida do título está emocionante esse ano, entre o Gabriel (Medina), o Matt (Wilkinson) e o John John (Florence), com o Ace (Adrian Buchan) também com chance e isso é muito legal. Eu estou à procura de resultados para tentar voltar para a briga também e se conseguir isso aqui será ótimo para me dar mais confiança para a perna europeia".

Quando terminar a bateria de Adriano de Souza e Wiggolly Dantas, começa a do maior ídolo do esporte, Kelly Slater, que voltou a vencer uma etapa com um show de notas 10 nos tubos de Teahupoo. Seus adversários na oitava bateria são o francês Jeremy Flores e o brasileiro Filipe Toledo, que mora em San Clemente e é sempre um dos favoritos em qualquer etapa disputada em praias de fundo de areia como Lower Trestles, ainda mais com vento favorável para voar nas manobras aéreas.

Pre heat ritual Felipe Toledo - WSL

Na nona bateria, acontece a segunda participação dupla do Brasil em baterias em que só a vitória vale classificação direta para a terceira fase, com Italo Ferreira e Caio Ibelli enfrentando o australiano Jack Freestone. Na décima, Jadson André encara dois campeões mundiais da Austrália, Joel Parkinson e Mick Fanning, que escolheu o Hurley Pro at Trestles como uma das etapas que vai participar esse ano. E na 12.a e última bateria, tem Alejo Muniz contra o havaiano Sebastian Zietz e o taitiano Michel Bourez.

TÍTULO FEMININO - Assim como no masculino, somente as três primeiras do ranking feminino vão brigar pela liderança no Swatch Women´s Pro at Trestles. A disputa pela ponta está mais concentrada na australiana Tyler Wright e na norte-americana Courtney Conlogue. A batalha entre elas é fase a fase pela segunda etapa consecutiva, pois já foi assim no Vans US Open of Surfing em Huntington Beach, na Califórnia, onde a australiana recuperou a lycra amarela do Jeep WSL Leader.

Kelly Slater psyching up before his Round 3 heat. Kelly Slater - WSL / Sean Rowland

Agora, em Trestles, é a californiana quem precisa ficar uma posição à frente para retomar a ponta, com a liderança podendo ser decidida até numa final entre elas. As duas já abriram mais de 5.500 pontos de vantagem sobre a terceira colocada, a tricampeã mundial Carissa Moore. A havaiana só tem chance de assumir a dianteira do ranking se Tyler e Courtney perderem nas primeiras fases, antes das quartas de final. E ainda vai ter que chegar na final ou até necessitando vencer o Swatch Women´s Pro para supera-las.

O Hurley Pro e Swatch Women´s Pro serão transmitidos ao vivo de Lower Trestles pelo www.worldsurfleague.com com divulgação também dos parceiros de mídia da World Surf League: ESPN, Globosat e Sportv no Brasil, Fox Sports da Austrália, CBS Sports dos Estados Unidos, Edgesport, Sky NZ, Canal + Deportes, Channel Nine, MCS, Starhub e Oceanic Time Warner Cable 250 & 1250 no Havaí.

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it