Quiksilver Pro Casablanca

Deivid Silva é o campeão do QS 1500 de Casablanca em Marrocos

WSL South America

Highlights: Quiksilver Pro Casablanca
Deivid Silva e Pauline Ado vencem no Marrocos

O paulista Deivid Silva, 21 anos, deu um show para conquistar a segunda vitória verde-amarela consecutiva na "perna europeia" e a sexta do Brasil no WSL Qualifying Series esse ano. O título no QS 1500 Quiksilver Pro Casablanca, neste domingo em Marrocos, norte da África, foi por massacrantes 18,46 a 9,70 pontos sobre o francês Nelson Cloarec, 20, que não teve qualquer chance nas ondas de 3-5 pés do domingo em frente ao Anfaplace Shopping Center de Casablanca. O brasileiro nem usou os 1.500 pontos nos cinco resultados computados no ranking e permanece em oitavo lugar, seguido pelo pernambucano Ian Gouveia, 23, e o baiano Bino Lopes, 28 anos. No próximo sábado (24), começa a prova mais importante da "perna europeia" em Portugal, o terceiro QS 10000 do ano, Cascais Billabong Pro na Praia de Carcavelos.

Deivid Silva (BRA) .Casa16 Deivid Silva - WSL / Laurent Masurel

"Estou muito feliz por vencer aqui em Marrocos. Eu me senti muito confiante neste evento, porque treinei bastante em casa (Guarujá-SP) em ondas bem parecidas com as daqui, então quero agradecer a Deus por ter enviado aquelas ondas para mim", disse Deivid Silva. "Essa é a minha primeira vez em Marrocos e foi muito bom ter vindo, é diferente de todos os lugares que conheci. Eu sabia que este resultado não mudaria meu ranking, mas quis vir para conhecer, ganhar um pouco mais de dinheiro e manter o rip de competição para o QS 10000 de Cascais".

Estas etapas com nível máximo de pontuação, são decisivas para definir os dez indicados pelo WSL Qualifying Series para completar a elite dos top-34 da World Surf League. No momento, os três únicos brasileiros estão quase fechando o G-10, mas o último é o australiano Ryan Callinan, 24 anos, em 11.o lugar. Isto porque o quinto, o norte-americano Kanoa Igarashi, 18, está entre os 22 primeiros do CT que são mantidos na elite e dispensam a vaga do QS. Os brasileiros que estão mais próximos da zona de classificação são o catarinense Tomas Hermes na porta de entrada do G-10, em 12.o lugar e o cearense Michael Rodrigues em 14.o.

Nelson Cloarec (FRA) .Casa16 Nelson Cloarec - WSL / Laurent Masurel

No domingo decisivo do QS 1500 Quiksilver Pro Casablanca, o bicampeão sul-americano Pro Junior da WSL South America em 2014 e 2015, Deivid Silva, mostrou a potência das suas batidas e rasgadas executadas com pressão e velocidade nas duas baterias que disputou nas ondas do Anfaplace Shopping Center. Na semifinal brasileira com o atual campeão mundial Pro Junior da World Surf League, Lucas Silveira, ele surfou duas ondas muito boas para tirar notas 8,33 e 7,50 e vencer por 15,83 a 11,94 pontos.

VITÓRIA POR COMBINATION - Na decisão do título, o francês Nelson Cloarec não teve qualquer chance. Deivid Silva já começou forte com notas 6,50 e 8,67 nas duas primeiras ondas, enquanto seu oponente só conseguiu um 6,40 na quinta tentativa. O brasileiro voltou a impressionar com seu surfe explosivo em duas ondas seguidas que valeram notas 9,13 e 9,33 para sacramentar a "combination" da vitória por massacrantes 18,46 a 9,70 pontos.

Lucas Silveira (BRA) .Casa16 Lucas Silveira - WSL / Laurent Masurel

O título no Quiksilver Pro Casablanca valeu um prêmio de 10.000 dólares para Deivid Silva, pois os 1.500 pontos foram descartados porque seu resultado de troca é 1.550, do nono lugar no QS 6000 de Newcastle, na Austrália. Já os 1.125 pontos do segundo lugar foram importantes para Nelson Cloarec, que subiu para 90 no ranking, entrando no grupo dos 100 primeiros que têm participação garantida nas etapas mais importantes, com status QS 10000 e QS 6000.

VITÓRIAS BRASILEIRAS - A vitória de Deivid Silva foi a terceira da sua carreira no WSL Qualifying Series e a sexta do Brasil nas quarenta etapas deste ano, completadas no QS 1500 Quiksilver Pro Casablanca em Marrocos. No fim de semana anterior, o pernambucano Ian Gouveia já havia festejado o título do QS 6000 Azores Airlines Pro nas Ilhas Açores, em Portugal. Mas, as primeiras foram conquistadas nas etapas da WSL South America, com o paulista Flavio Nakagima sendo o primeiro do ano no QS 1500 Rip Curl Pro Argentina em Mar del Plata e o segundo foi o baiano Bino Lopes, ganhando em casa o QS 1500 Praia do Forte Pro apresentado pela Oi na Praia do Forte, em Mata de São João, no litoral norte da Bahia.

Flavio Nakagima (BRA) .Casa16 Flavio Nakagima - WSL / Laurent Masurel

Depois, o peruano Joaquin Del Castillo foi o terceiro sul-americano a vencer etapas no WSL Qualifying Series 2016, no QS 1000 Cape Town Pro nas ondas geladas de Big Bay, em Cape Town, na África do Sul. Ele e dois europeus eram os únicos participantes de outros países, contra 37 sul-africanos. Já a terceira vitória do Brasil foi a do capixaba Rafael Teixeira no QS 1000 Vans Surf Open Acapulco no México. E a quarta, a mais importante da temporada, de Filipe Toledo com seu segundo título nas três últimas edições do QS 10000 Vans US Open of Surfing no famoso píer de Huntington Beach, na Califórnia.

PERNA EUROPÉIA - E a quinta e sexta vitórias foram as conquistadas nas últimas semanas, por Ian Gouveia no QS 6000 Azores Airlines Pro das Ilhas Açores, em Portugal, e do Deivid Silva no QS 1500 Quiksilver Pro Casablanca, em Marrocos. Os brasileiros já vinham se destacando na "perna europeia" desde o início, quando o carioca Lucas Silveira foi vice-campeão na final do QS 1500 de Lacanau, na França, contra o francês Joan Duru. Duas semanas depois, três chegaram na decisão do QS 6000 de Pantin, na Galícia, Espanha, mas o norte-americano Kanoa Igarashi pegou as melhores ondas da bateria para derrotar Michael Rodrigues (2.o), Tomas Hermes (3.o) e Ian Gouveia (4.o).

Ian Gouveia (BRA) .Casa16 Ian Gouveia - WSL / Laurent Masurel

No domingo seguinte, o filho mais jovem do grande ídolo do surfe brasileiro, Fábio Gouveia, conseguiu a vitória mais importante da sua carreira no QS 6000 Azores Airlines Pro, em Portugal, que valeu sua entrada no G-10 do QS. E nessa semana em Marrocos, o ataque verde-amarelo no norte da África foi muito mais intenso. Entre os 32 que competiram na terceira fase do QS 1500 Quiksilver Pro Casablanca na sexta-feira, quatorze eram do Brasil e dez avançaram para a rodada dos dezesseis que iriam disputar vagas para as quartas de final.

DOMINIO BRASILEIRO - Essa quarta fase ainda era de baterias formadas por quatro surfistas e o domínio brasileiro acabou fazendo com que três delas ficassem com três brasileiros, mas só dois se classificavam. Na primeira, Ian Gouveia e o capixaba Rafael Teixeira eliminaram o paulista Thiago Guimarães, além do havaiano Keoni Yan. Na segunda, o carioca Lucas Silveira e o paulista Deivid Silva, foram melhores que o paranaense Caetano Vargas e o marroquino Ramzi Boukhiam.

Miguel Tudela (PER) .Casa16 Miguel Tudela - WSL / Laurent Masurel

Na terceira bateria do sábado nas ondas do Anfaplace Shopping Center, o paulista Jessé Mendes competiu sozinho e ficou em último, com o francês Nelson Cloarec e o sul-africano Matthew McGillivray se classificando para as quartas de final. E a última foi 100% sul-americana, com o peruano Miguel Tudela derrotando três brasileiros e Bino Lopes ganhando a briga pelo segundo lugar do também baiano Ian Costa e do paulista Flavio Nakagima.

As quartas de final também foram disputadas no sábado, com dois duelos brasileiros abrindo a batalha pelas vagas no domingo decisivo. Deivid Silva ganhou de Ian Gouveia a bateria dos dois integrantes do G-10. E na segunda, Lucas Silveira derrotou Rafael Teixeira para completar a semifinal brasileira com Deivid Silva. Depois, o francês Nelson Cloarec eliminou Bino Lopes e o peruano Miguel Tudela perdeu para o sul-africano Matthew McGillivray.

Bino Lopes (BRA) .Casa16 Bino Lopes - WSL / Laurent Masurel

Pelo quinto lugar com as derrotas nas quartas de final, Ian Gouveia, Bino Lopes, Rafael Teixeira e Miguel Tudela, que se aproximou do grupo dos top-100 subindo para o 107.o lugar no ranking, ganharam 630 pontos e 1.000 dólares de prêmio. No ano passado, o Quiksilver Pro Casablanca foi vencido pelo carioca Pedro Henrique, que mora em Portugal e passou a representar a nova pátria nas competições, então Deivid Silva é o primeiro brasileiro a ser campeão em Marrocos.

QS 1500 FEMININO - No domingo, também foi encerrado o Roxy Pro Casablanca e com uma final 100% francesa em Marrocos. Pauline Ado foi a campeã e ganhou uma posição no ranking do WSL Qualifying Series, tirando o oitavo lugar da havaiana Coco Ho, que passa a fechar o grupo das seis surfistas que se classificam para a elite das top-17 da World Surf League. A vice-campeã, Justine Dupont, permaneceu em décimo lugar e na porta de entrada da zona de classificação para o CT 2017.

Pauline Ado (FRA) .Casa16 Pauline Ado - WSL / Laurent Masurel

Entre as quatro surfistas da América do Sul que competiram no QS 1500 de Marrocos, a melhor foi a peruana Melanie Giunta, que passou duas fases e terminou em quinto lugar com a derrota para a espanhola Ainara Aymat nas quartas de final. Melanie marcou 630 pontos e subiu para a posição 50 do ranking. Já a argentina Lucia Cosoleto e as chilenas Lorena Fica e Trinidad Segura, perderam em suas estreias no Roxy Pro Casablanca.

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it