NewsBarbados Surf ProLucca Mesinas

Peruano Lucca Mesinas é campeão do QS 3000 de Barbados

O peruano Lucca Mesinas conquistou sua primeira vitória na World Surf League, na decisão com o brasileiro Alex Ribeiro no QS 3000 Barbados Surf Pro, neste sábado no Caribe. As semifinais já foram 100% sul-americanas e os dois que não passaram para a final, também festejaram os resultados. O catarinense Alejo Muniz perdeu a bateria brasileira para Alex Ribeiro, mas já tinha assumido a liderança no ranking do WSL Qualifying Series. E Miguel Tudela, derrotado por Lucca Mesinas, já havia se tornado o primeiro peruano a entrar na lista dos dez surfistas que o QS classifica para a elite do World Surf League Championship Tour.

Lucca Medinas (PER) Winner of the Barbados Surf Pro 2018 Lucca Mesinas WSL / Damien Poullenot

"Foi uma semana muito boa para mim e estou feliz pela vitória, depois de não ter conseguido o resultado que queria na Martinica semana passada", disse Lucca Mesinas, que saltou da 41.a para a 12.a posição no ranking com os 3.000 pontos da vitória em Barbados, ficando na porta de entrada do G-10 do QS. "Eu estava superfocado na bateria e senti que tinha uma boa chance de me sair bem aqui, porque as ondas estavam parecidas com as da minha casa, no Peru. Tudo se desenvolveu bem para mim e estava muito confiante de que eu poderia conseguir os pontos que precisava para vencer nas ondas que surfei na final".

O peruano realmente não deu qualquer chance para Alex Ribeiro na decisão do título do QS 3000 Barbados Surf Pro. Ele só surfou três ondas na bateria e duas no critério excelente dos juízes, recebendo notas 9,57 e 8,00 para totalizar 17,57 pontos de 20 possíveis. E Lucca Mesinas ainda descartou o 7,33 da primeira que pegou. O brasileiro só conseguiu somar 10,83 com notas 5,83 e 5,00, mas já tinha feito grandes apresentações durante o evento.

Alex Ribeiro (BRA) during semis of the Barbados Surf Pro 2018 Alex Ribeiro WSL / Damien Poullenot

"Estou feliz por conseguir o segundo lugar e por ter feito algumas boas baterias durante essa semana aqui em Barbados", disse Alex Ribeiro. "Eu estou com um pequeno machucado no pé, não dói muito felizmente, pois senão, acho que nem conseguiria chegar na final. Foi um bom resultado e já estou ansioso para competir nos próximos eventos para manter esse ritmo".

SEMIFINAL BRASILEIRA - Com os 2.250 pontos do vice-campeonato na ilha caribenha, Alex subiu da 42.a para a 19.a posição no ranking. A última onda boa que ele surfou em Barbados foi na semifinal com Alejo Muniz, com a nota 7,67 recebida garantindo a vitória por 13,17 a 11,46 pontos. Mas, o catarinense também lucrou com o resultado, que o levou do quarto para o primeiro lugar no QS 2018, tirando a liderança do australiano Mikey Wright.

Alejo Muniz (BRA) during semis of the Barbados Surf Pro 2018 Alejo Muniz WSL / Damien Poullenot

"Estou saindo feliz daqui porque o terceiro lugar é um bom resultado também", disse Alejo Muniz. "Fiquei satisfeito com o meu surfe e com a forma como competi nas baterias ao longo dessa semana. Meu único erro foi cair em uma onda na semifinal que me custou a derrota na bateria. Mas, o Alex (Ribeiro) estava surfando muito bem e mereceu estar na final".

SEMIFINAL PERUANA - O peruano Miguel Tudela também confirmou a boa fase, pois foi seu segundo terceiro lugar consecutivo nas etapas do QS 3000 no Caribe. Nos dois eventos, ele ficou a um passo da decisão do título, mas somou pontos importantes para se tornar o primeiro peruano a figurar na lista dos dez indicados pelo QS, para a elite mundial do CT. Ele chegou em Barbados em 15.o lugar e agora é o nono colocado com 5.410 pontos.

Miguel Tudela (PER) during semis of the Barbados Surf Pro 2018 Miguel Tudela WSL / Damien Poullenot

Miguel Tudela comentou sobre a semifinal peruana com Lucca Mesinas. "Foi uma bateria muito fraca de ondas e até tivemos um recomeço, porque não entrou nada nos primeiros 10 minutos. Mesmo assim, depois também não tivemos muitas chances de conseguir notas altas. Eu estava ganhando a bateria no final, mas ele (Lucca Mesinas) tinha a prioridade (de escolher a próxima onda). A onda veio para ele fazer duas manobras grandes e vencer, mas o terceiro lugar foi mais um bom resultado que somei no ranking também".

G-10 PARA O CT - Além do QS 3000 de Barbados encerrado em boas ondas de 2-3 pés em Drill Hall Beach, no sábado também terminou o QS 1500 Rip Curl Pro Argentina, com o brasileiro Wesley Santos faturando o título na final com o argentino Facundo Arreyes em Mar del Plata. Wesley entrou a lista dos 100 primeiros com a vitória e, após estas duas etapas, os sul-americanos voltam a ter metade das dez vagas no G-10 do QS para o CT 2019.

Flavio Nakagima (BRA) during Round Five of Barbados Surf Pro 2018 Flavio Nakagima WSL / Damien Poullenot

O Brasil lidera o ranking pela primeira vez esse ano, com o catarinense Alejo Muniz, que atingiu 8.330 pontos com os 1.680 recebidos pelo terceiro lugar no QS 3000 Barbados Surf Pro. Depois, tem os paulistas Deivid Silva em segundo lugar e Miguel Pupo em quinto. Aí vem o peruano Miguel Tudela em nono e o potiguar Jadson André em 11.o, fechando o G-10 porque o vice-líder, Mikey Wright, está se classificando entre os 22 primeiros do ranking do CT.

World Surf League
Download it for free on the App store. Download it for free on Google Play.
Download
Download