NewsRoxy Pro France

Prazo do Quiksilver Pro France começa nesta quarta-feira

A perna europeia do World Surf League Championship Tour começa nesta quarta-feira e Gabriel Medina vai defender o título nas duas etapas antes do encerramento da temporada no Havaí. Ele ganhou o Quiksilver Pro France e o MEO Rip Curl Pro Portugal no ano passado e vem de vitórias nas duas últimas deste ano, no Taiti e no Surf Ranch. Na França, Medina é o único que pode tirar a lycra amarela do Jeep Leaderboard do número 1 do ranking, Filipe Toledo. Mas, outros dez surfistas ainda têm chances matemáticas de título mundial. Já o feminino pode ser decidido nesta penúltima etapa das meninas, para a hexacampeã Stephanie Gilmore.

Filipe Toledo (BRA) contender for the World Title during  the Press Conference at the Quiksilver and Roxy Pro France 2018 Filipe Toledo WSL / Damien Poullenot

A australiana iguala os sete títulos da recordista Layne Beachley se vencer o Roxy Pro France. Ela pode até festejar a conquista antes disso, mas só se chegar nas semifinais e sua única concorrente, Lakey Peterson, não tenha passado das quartas de final. Mesmo que ambas estejam nas semifinais, Gilmore confirma o heptacampeonato se passar a sua bateria e a norte-americana perder a dela. Caso a grande final seja entre as duas, Lakey Peterson precisa vencer o Roxy Pro para levar a decisão do título para a última etapa na ilha de Maui, Havaí.

Entre os homens, a disputa do título está mais centralizada em Filipe Toledo e Gabriel Medina, com o campeão mundial de 2014 já abrindo uma vantagem de 8.560 pontos para o australiano Julian Wilson e 13.860 do quarto colocado, o potiguar Italo Ferreira. No entanto, os doze primeiros do ranking ainda têm chances matemáticas de terminar o ano como campeão mundial, até o catarinense Willian Cardoso, que ocupa a 12.a posição. Mas, a cada bateria que o líder Filipe Toledo avançar, esse número de concorrentes irá diminuindo.

Gabriel Medina (BRA) contender for the World Title during  the Press Conference at the Quiksilver and Roxy Pro France 2018 Gabriel Medina WSL / Damien Poullenot

A grande vantagem que Filipe Toledo tinha construído, caiu para 4.100 pontos após as vitórias de Gabriel Medina no Tahiti Pro Teahupoo e no Surf Ranch Pro. Mas, Medina só consegue ultrapassar os atuais 49.785 pontos de Filipe no ranking, se chegar nas quartas de final do Quiksilver Pro France. Se o líder passar uma bateria em Hossegor, ele já precisará ser semifinalista. Filipe se garante na ponta se passar para as semifinais, mesmo que Medina conquiste o seu quarto troféu de campeão da etapa francesa.

ESTREIA NA FRANÇA - O Quiksilver Pro France não terá mais uma vez a participação dos atuais campeões mundiais, John John Florence e Tyler Wright, bem como de Kelly Slater e do brasileiro Caio Ibelli, que seguem se recuperando de contusões. Mas, outros dois paulistas foram chamados para substitui-los e vão reforçar a seleção verde-amarela em Hossegor, Miguel Pupo e Wiggolly Dantas. Então, serão doze brasileiros competindo na França.

Italo Ferreira of Brazil in the clubhouse before his Qualifying Round at the 2018 Surf Ranch Pro in Lemoore, Ca. Italo Ferreira WSL / Kenneth Morris

A estreia será em dose dupla, com o potiguar Italo Ferreira e o catarinense Yago Dora enfrentando ao havaiano Keanu Asing na terceira bateria. Wiggolly Dantas entra no confronto seguinte com o português Frederico Morais e o número 3 do Jeep Leaderboard, Julian Wilson. Na quinta bateria, Gabriel Medina começa a defender o título de campeão do Quiksilver Pro France com o catarinense Tomas Hermes e o australiano Ryan Callinan, que venceu o QS 10000 EDP Billabong Pro Ericeira sábado passado em Portugal.

Depois de Medina, Filipe Toledo entra com a lycra amarela de número 1 do mundo com outro australiano, Connor O´Leary, e o francês Jorgann Couzinet, convidado desta etapa. Na sétima bateria, serão mais dois brasileiros, o campeão mundial Adriano de Souza e o também paulista Miguel Pupo, contra o australiano Wade Carmichael. Depois, tem o pernambucano Ian Gouveia na oitava bateria, o cearense Michael Rodrigues na nona, o paulista Jessé Mendes na décima e o catarinense Willian Cardoso fechando a primeira fase contra o francês Jeremy Flores e o australiano Joel Parkinson.

Willian Cardoso (BRA) is eliminated from the 2018 Tahiti Pro Teahupo'o with an equal 25th finish after placing second in Heat 3 of Round 2 at Teahupo'o. Willian Cardoso WSL / Kelly Cestari

VITÓRIAS BRASILEIRAS - Os brasileiros vêm fazendo história no World Surf League Championship Tour esse ano, ganhando sete etapas seguidas das oito já disputadas. A série invicta começou com o potiguar Italo Ferreira badalando o emblemático sino do troféu de campeão do Rip Curl Pro Bells Beach, após ganhar a bateria que marcou a despedida do tricampeão mundial Mick Fanning na casa dele na Austrália.

Depois, veio o segundo título de Filipe Toledo no Oi Rio Pro em Saquarema e na Indonésia foram mais duas vitórias seguidas, com Italo Ferreira de novo nas direitas de Keramas e do novato na elite, Willian Cardoso, nas esquerdas de Uluwatu, batendo na final o líder do ranking naquele momento, Julian Wilson. Filipe Toledo assumiu a lycra amarela do Jeep Leaderboard com o bicampeonato consecutivo no Corona Open J-Bay na África do Sul.

Julian Wilson (AUS) finished with a point total of 15.37 (out of a possible 20.00) at the 2018 Surf Ranch Pro in Lemoore, CA, USA. Julian Wilson WSL / Sean Rowland

Ele se manteve na frente até agora, mesmo com a aproximação fulminante de Medina nesta segunda metade da temporada. O campeão mundial de 2014 venceu duas seguidas, o Tahiti Pro Teahupoo, o Surf Ranch Pro e vai defender o título nas duas etapas da perna europeia, no Quiksilver Pro France, onde já fez cinco finais e ganhou três, depois no MEO Rip Curl Pro Portugal em Peniche. Os dois eventos acontecem entre os dias 03 e 27 de outubro.

World Surf League
Download it for free on the App store. Download it for free on Google Play.
Download
Download