- WSL / Sean Rowland

Os brasileiros se destacaram no segundo dia do QS 10000 Vans US Open of Surfing, fazendo novos recordes nas cinco vitórias nas oito baterias disputadas na terça-feira em Huntington Beach, na Califórnia. Os paulistas Deivid Silva e Victor Bernardo passaram juntos na primeira do dia, dobradinha depois repetida pelo baiano Bino Lopes e outro paulista, Thiago Camarão. Mais quatro avançaram para a terceira fase, o líder do ranking do WSL Qualifying Series, Peterson Crisanto, com a maior nota do campeonato - 8,77, os potiguares Italo Ferreira e Jadson André e o paulista Miguel Pupo. Já são doze entre os 48 melhores na segunda etapa com pontuação máxima na disputa pelas dez vagas para a elite da World Surf League.

Deivid Silva (BRA) advances to Round 3 of the 2018 VANS US Open of Surfing after winning Heat 9 of Round 2 at Huntington Beach, California, USA. Deivid Silva - WSL / Kenneth Morris

Os recordes do havaiano Joshua Moniz na segunda-feira começaram a cair logo na primeira bateria do dia, com Deivid Silva aumentando de 7,90 para 8,00 a maior nota do US Open of Surfing. O número 6 do ranking mandou duas batidas verticais de backside no outside e mais duas no inside muito fortes numa boa direita em Huntington Beach e a bateria terminou com a primeira dobradinha brasileira da terça-feira. O também paulista Victor Bernardo ganhou a briga pela segunda vaga para a terceira fase, despachando o japonês Joh Azuchi e a estrela portuguesa do CT, Frederico Morais.

A segunda bateria do dia não teve nenhum brasileiro, mas três entraram na terceira, que foi bem fraca de ondas, com longas calmarias. No entanto, Miguel Pupo achou duas boas para somar duas notas 7,83 registrando um novo recorde de 15,66 pontos, superando os 14,56 de Joshua Moniz na segunda-feira. Foram as duas únicas ondas que Pupo surfou e ele segue tentando retornar ao grupo dos dez que se classificam para o CT. Já o pernambucano Ian Gouveia, que faz parte da elite, só conseguiu surfar uma onda nos 35 minutos da bateria e ficou em último, sendo eliminado junto com o capixaba Rafael Teixeira pelo norte-americano Cam Richards, que passou em segundo com apenas 8,66 pontos.

Bino Lopes (BRA) advances to Round 3 of the 2018 VANS US Open of Surfing after winning Heat 12 of Round 2 at Huntington Beach, California, USA. Bino Lopes - WSL / Kenneth Morris

Mais três brasileiros entraram no confronto seguinte e dessa vez dois avançaram para a segunda fase. O baiano Bino Lopes massacrou uma onda que os juízes avaliaram como a melhor apresentação do campeonato até ali e deram nota 8,17. Ele ainda pegou outra boa para selar a vitória por 14,40 pontos e o paulista Thiago Camarão confirmou a segunda dobradinha brasileira superando o havaiano Finn McGill por uma pequena vantagem de 11,43 a 11,27 pontos. O pernambucano Luel Felipe ficou em último e Thiago Camarão segue defendendo sua vaga no G-10, pois chegou na Califórnia em penúltimo na lista.

A série de vitórias verde-amarelas continuou com o potiguar Italo Ferreira confirmando o favoritismo ao sair do mar em primeiro lugar com 13,94 pontos. Ele foi em várias ondas, nessa hora o mar ficou mais constante e Italo pegou quinze para vencer. O paulista Flavio Nakagima competiu junto com ele e pegou quatorze, porém ficou em último e a segunda vaga para a terceira fase ficou com o sul-africano Beyrick De Vries.

Jadson Andre (BRA) advances to Round 3 of the 2018 VANS US Open of Surfing after placing second in Heat 14 of Round 2 at Huntington Beach, California, USA. Jadson Andre - WSL / Sean Rowland

NOVOS RECORDES - O potiguar Jadson André estreou na bateria seguinte precisando passar porque chegou nesta etapa em último na lista dos dez que sobem para o CT, ou seja, é o mais ameaçado do G-10. Ele também usou a tática de ficar ativo no mar, pegando várias ondas, foi em quinze e só na última conseguiu sua maior nota - 6,63 - para passar em segundo lugar. Isto porque o francês Joan Duru fez um novo recorde de 15,83 pontos somando notas 8,00 e 7,83.

O paranaense Peterson Crisanto também brilhou em sua primeira defesa da liderança do ranking. Ele enfrentou três havaianos e controlou toda a bateria, com as notas 5,33, 6,23 e 7,00 das suas três primeiras ondas. Depois, pegou uma direita mais em pé e acertou uma série de três manobras muito fortes de frontside para receber a maior nota do campeonato - 8,77. Com ela, atingiu 15,77 pontos, o segundo maior placar nos dois primeiros dias do US Open. Na briga pelo segundo lugar, Tanner Hendrickson despachou o top do CT, Sebastian Zietz, junto com Kiron Jabour, filho de um surfista brasileiro das antigas, João Mauricio Jabour.

Peterson Crisanto (BRA) advances to Round 3 of the 2018 VANS US Open of Surfing after winning Heat 15 of Round 2 at Huntington Beach, California, USA. Peterson Crisanto - WSL / Sean Rowland

MAIS SEIS BRASILEIROS - Essa foi a última participação do Brasil na terça-feira, pois nenhum disputou a 16.a bateria, que acabou fechando o segundo dia do QS 10000 em Huntington Beach. O restante do dia ficou para finalizar a categoria Pro Junior e a 17.a bateria, encabeçada pelo cearense da elite do CT, Michael Rodrigues, contra o vice-líder do ranking, Seth Moniz, o também havaiano Cody Young e o australiano Soli Bailey, vai abrir a quarta-feira às 7h00 na Califórnia, 11h00 no Brasil. Além dele, mais cinco brasileiros ainda vão disputar classificação para a terceira e última rodada de confrontos formados por quatro competidores.

O carioca Lucas Silveira está na 19.a bateria, a terceira a entrar no mar na quarta-feira, com os norte-americanos Patrick Gudauskas e Brett Simpson e o australiano Ethan Ewing. A 22.a será a quarta com participação tripla do Brasil na segunda fase, com os catarinenses Tomas Hermes e Alejo Muniz e o paulista Marcos Correa enfrentando o californiano Ian Crane. E na disputa seguinte, outro paulista, Hizunomê Bettero, estreia contra o sul-africano Michael February, o italiano Leonardo Fioravanti e o havaiano Benji Brand.

Victor Bernardo (BRA) advances to Round 3 of the 2018 VANS US Open of Surfing after placing second in Heat 9 of Round 2 at Huntington Beach, California, USA. Victor Bernardo - WSL / Kenneth Morris

TERCEIRA FASE - Outra bateria com três brasileiros disputando duas vagas já foi confirmada na terceira fase, a sexta, com os paulistas Miguel Pupo e Victor Bernardo e o baiano Bino Lopes, contra o francês Jorgann Couzinet. Dos oito confrontos já formados, o Brasil estará brigando por classificação em sete, desde o primeiro com o campeão mundial Adriano de Souza e o catarinense Yago Dora. O cearense Heitor Alves entra no seguinte e o peruano Lucca Mesinas representa a América do Sul na terceira bateria.

Depois, tem Jessé Mendes na quarta e os também paulistas Deivid Silva e Thiago Camarão defendendo vagas no G-10 competindo juntos na quinta. Aí vem a participação tripla na sexta bateria, o potiguar Italo Ferreira na sétima e mais dois brasileiros na oitava, o líder do ranking Peterson Crisanto e o último da lista dos que estão se classificando para o CT, Jadson André. No momento, o Brasil é maioria na rodada dos 48 melhores, com doze surfistas.

World Surf League
Download it for free on the App store. Download it for free on Google Play.
Download
Download