Rip Curl Pro Bells Beach

Adriano e Medina começam vencendo no Rip Curl Pro Bells Beach

WSL South America

Highlights: Round 1 Masculino
Primeiro dia de disputas da categoria masculina

Os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina conquistaram as primeiras vitórias brasileiras no Rip Curl Pro Bells Beach em Torquay, na gelada região sul da Austrália. Foi realizada metade das doze baterias da primeira fase, até a maré cheia acabar com as ondas na sexta-feira. Mineirinho ganhou a última do dia num mar quase sem ondas, mas Medina competiu antes e achou duas boas para mostrar a potência do seu backside nas direitas de Bells Beach. A primeira vitória veio após duas derrotas brasileiras no início do dia, mas Italo Ferreira e Caio Ibelli têm uma segunda chance de classificação para a terceira fase. A outra metade da "seleção brasileira" está nas baterias da segunda fase que ficaram para abrir o sábado, com a primeira chamada marcada para as 8h00 na Austrália, 18h00 da sexta-feira pelo fuso horário de Brasília.

O defensor do título mundial, Adriano de Souza, foi o único brasileiro a badalar o sino do cobiçado troféu do Rip Curl Pro e ter seu nome gravado como campeão em 2013. No ano passado, Mineirinho também chegou na decisão e quase conquista outra vitória, mas a bateria acabou empatada e Mick Fanning garantiu o bi consecutivo pela maior nota recebida. Na sexta-feira, ele competiu numa condição difícil do mar, quando a maré já estava bem cheia com grandes intervalos entre as séries e poucas ondas entrando na bateria. Adriano só surfou duas e foi suficiente para ganhar por 11,23 pontos. O vencedor da triagem, Tim Stevenson, pegou sua segunda no final para tentar a vitória, mas só conseguiu subir para segundo com 10,60 pontos, superando os 9,00 do taitiano Michel Bourez.

Adriano de Souza winning in Round 1. Adriano de Souza vira no final - WSL / Kirstin

"Estava todo mundo na expectativa do que o (Tim) Stevenson ia fazer na bateria, então estou feliz por ter conseguido vencer, porque era importante para mim ir direto para a terceira fase", disse Adriano de Souza. "Foi uma bateria difícil porque a maré estava enchendo e as ondas desapareceram. Eu tive sorte de ter encontrado a onda certa antes de terminar a bateria".

No confronto anterior ao do atual campeão mundial, que perdeu a lycra amarela do Jeep WSL Leader para o australiano Matt Wilkinson na Gold Coast, entraram várias ondas boas abrindo paredes mais longas para as manobras e Mick Fanning fez os recordes do dia - nota 8,83 e 16,93 pontos - contra os havaianos Keanu Asing e Mason Ho, que está substituindo o contundido Filipe Toledo em Bells Beach. O tricampeão mundial já venceu o Rip Curl Pro quatro vezes com um bi consecutivo em 2014 e 2015. O título do ano passado foi no desempate, pois quase Adriano de Souza consegue sua segunda vitória na última onda que surfou na bateria.

Gabriel Medina's fin free approach will take him directly to Round 3. Gabriel Medina aproveitou bem as ondas de Bells Beach - WSL / Kelly Cestari

O outro campeão mundial que estreou na sexta-feira foi Gabriel Medina, que também confirmou o favoritismo vencendo sua bateria por 13,84 pontos. Ele aproveitou bem as poucas chances que teve pela difícil condição do mar, com manobras explosivas de backside nas direitas de Bells Beach para receber notas 6,17 e 7,67, a maior da bateria. O norte-americano Conner Coffin, ainda tentou a vitória no final, completando um layback incrível, invertendo toda a direção da prancha abrindo um grande leque de água. Mas, a nota 6,27 só foi suficiente para o estreante na elite deste ano ficar em segundo lugar, à frente do surfista da ilha Guadalupe, Timothee Bisso, um dos wildcards do Rip Curl Pro.

"Eu perdi muito rápido lá na Gold Coast, na terceira fase, então depois eu vim direto para Bells treinar aqui para o campeonato", contou Gabriel Medina. "Eu surfei bastante esses dias e espero conseguir um bom resultado. É uma onda difícil para quem é ‘goofy footer' como eu (surfa com o pé direito para o bico da prancha e de costas em ondas para a direita como Bells Beach). Então foi bom eu ter vindo um pouco antes e tenho treinado forte para buscar um bom resultado aqui".

Caio Ibelli gets a little support from girlfriend Alessa Quizon before his Round 1 heat. Caio Ibelli e Alessa Quizon - WSL / Kirstin Scholtz

A vitória de Gabriel Medina veio após duas derrotas brasileiras para dois novatos na elite dos top-34 que disputa o título mundial no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour. O também estreante Caio Ibelli entrou na primeira bateria e a condição do mar já estava difícil, com poucas ondas boas nos grandes intervalos entre as séries. O australiano Davey Cathels aproveitou muito bem uma direita que abriu o trilho pras manobras para garantir a vitória com a nota 8,5 da sua última onda. Com ela totalizou 15,20 pontos, superando os 13,60 do francês Jeremy Flores e o brasileiro ficou em último com exatos 10,00 pontos.

O "Rookie of the Year" de 2015, Italo Ferreira, também não teve muitas oportunidades de mostrar o seu backside em Bells Beach. Os seus adversários aproveitaram melhor as suas igualmente poucas chances, como a novidade dos Estados Unidos, Kanoa Igarashi, de 18 anos de idade apenas. A última vez que ele tinha surfado em Bells Beach foi quatro anos atrás, quando quebrou a perna. Se existia trauma, foi embora logo na primeira onda que pegou, espancando a direita com fortes manobras para largar na frente com nota 7,67 e fechar a bateria com 6,37. Venceu por 14,04 pontos e o havaiano Dusty Payne, um dos substitutos dos cinco tops machucados, ficou em segundo com 12,67, contra 12,46 do potiguar Italo Ferreira.

Kelly Slater getting geared up for Round 1. Kelly Slater - WSL / Kirstin Scholtz

SEGUNDA METADE - A outra metade dos oito participantes do Brasil no Rip Curl Pro Bells Beach vai estrear na segunda metade da primeira fase, que ficou para abrir o sábado. O estreante Alex Ribeiro vai disputar o primeiro confronto do dia contra dois veteranos do circuito, o onze vezes campeão mundial Kelly Slater e o australiano Kai Otton. A primeira chamada para eles foi marcada para as 8h00 na Austrália, 18h00 da sexta-feira no fuso de Brasília.

Duas baterias depois, Miguel Pupo também terá uma parada duríssima contra os dois finalistas da etapa que abriu a temporada 2016 na Gold Coast, o australiano Matt Wilkinson estreando com a lycra amarela do Jeep WSL Leader e o norte-americano Kolohe Andino. O também paulista Wiggolly Dantas vai enfrentar dois australianos na briga pela penúltima vaga direta para a terceira fase, Josh Kerr e Matt Banting. E o potiguar Jadson André disputa a última com o havaiano John John Florence o sul-africano Jordy Smith.

Johanne Defay put her rail to serious work in Round 1. Johanne Delay - WSL / Kelly Cestari

ESTREIA DAS MENINAS - As condições difíceis do mar em Bells Beach só permitiram realizar seis baterias por dia neste início da janela do Rip Curl Pro que vai até 5 de abril. Na quinta-feira só as meninas competiram e começou com duas favoritas sendo derrotadas, a hexacampeã mundial Stephanie Gilmore e a também australiana Sally Fitzgibbons, que ainda terão outra chance de avançar para a terceira fase. As duas primeiras classificações diretas foram conquistadas pela sul-africana Bianca Buitendag e pela havaiana Malia Manuel, respectivamente.

Já a atual campeã mundial, Carissa Moore, a vice do ano passado, Courtney Conlogue, e a vencedora da primeira etapa na Gold Coast, Tyler Wright, confirmaram o favoritismo sem dar chances para suas adversárias. Elas fizeram os maiores placares da quinta-feira com as maiores notas da primeira fase do Rip Curl Women´s Pro Bells Beach. A americana Courtney foi a recordista do dia com os 16,17 pontos que atingiu com a nota 9,17 da última onda que surfou. A australiana Tyler Wright estreou bem com a lycra amarela do Jeep WSL Leader somando 15,43 pontos com o 8,60 da sua melhor onda. E a havaiana Carissa Moore totalizou 15,10 com notas 7,60 e 7,50.