Australian Open of Surfing

Treze sul-americanos na fase dos 48 melhores em Sydney

WSL South America

A quinta-feira foi um dia atípico na Austrália, sem vitórias verde-amarelas nas ondas de 2-3 pés de Manly Beach, em Sydney. Apesar disso, mais seis brasileiros se classificaram e treze sul-americanos vão disputar a rodada dos 48 melhores do QS 6000 Australian Open of Surfing. O vice-líder do WSL Qualifying Series, Jessé Mendes, os também paulistas Alex Ribeiro e Samuel Pupo, o catarinense Alejo Muniz, o pernambucano Luel Felipe e o capixaba Rafael Teixeira, passaram em segundo lugar nas suas baterias, para se juntar aos sete que garantiram suas vagas na quarta-feira. Já o líder do ranking, Yago Dora, foi um dos nove sul-americanos que saíram da briga do título do segundo QS 6000 do ano na quinta-feira.

Alejo Muniz Alejo Muniz - WSL / Tom Bennett

Na primeira classificação brasileira, já caiu um dos cabeças de chave que estava estreando em Manly Beach, Bino Lopes. O baiano perdeu para Samuel Pupo a batalha pela segunda vaga na bateria contra dois australianos, vencida por Cooper Chapman. O catarinense Yago Dora entrou na seguinte para fazer a sua primeira defesa da liderança do ranking depois da vitória no QS 6000 de Newcastle domingo passado. A briga pelas duas vagas foi intensa e definida por menos de meio ponto de diferença entre os três primeiros colocados.

O americano Cam Richards venceu com 13,24 pontos e o australiano Kalani Ball passou em segundo por incríveis 6 centésimos. Ele totalizou 12,86 pontos, contra 12,80 de Yago Dora, que ficou em 49.o lugar no Australian Open. Na bateria seguinte, novamente dois brasileiros tiveram que brigar pela segunda vaga e, também por muito pouco, Alex Ribeiro superou Robson Santos por 12,80 a 12,73 pontos. O australiano Mikey Wright saiu do mar em primeiro lugar com 13,33 e o top do CT, Kanoa Igarashi, dos Estados Unidos, terminou em último com 12,26.

Hizunome Bettero going 12 o'clock on the closeout section Hizunome Bettero - WSL / Tom Bennett

Também em último na bateria e em 73.o lugar no campeonato ficaram os próximos sul-americanos que competiram, o peruano Joaquin del Castillo e o brasileiro Flavio Nakagima. Depois, já no oitavo confronto do dia, mais dois brasileiros participaram de uma bateria muito disputada e só um avançou por menos de meio ponto de novo. Os três primeiros tinham uma nota na casa dos 7 pontos e a segunda melhor onda de cada um definiu o resultado. O italiano Leonardo Fioravanti, uma das novidades do CT esse ano, fez 14,60 pontos para vencer e o pernambucano Luel Felipe ganhou a segunda vaga do paulista Hizunomê Bettero por uma pequena vantagem de 13,53 a 13,23 pontos, com o australiano Chris Zaffis ficando em último.

RECORDES DO DIA - Aí começou uma série de baterias só com um brasileiro enfrentando três surfistas de outros continentes. Na 17.a da segunda fase, nona a entrar no mar em Manly Beach na quinta-feira, o catarinense Alejo Muniz encarou três australianos e se classificou junto com Shane Campbell na onda surfada no último minuto. Nas disputas seguintes, o cearense Michael Rodrigues foi barrado na bateria que o australiano Ryan Callinan fez os recordes do dia, nota 9,60 e 17,83 pontos. Mas, o capixaba Rafael Teixeira passou no confronto dele contra três norte-americanos, só perdendo para Tanner Gudauskas.

Shane Campbell Shane Campbell - WSL / Tom Bennett

Duas baterias depois, o pernambucano Ian Gouveia fez a sua primeira apresentação como integrante da nova elite dos top-34 que vai disputar o título mundial no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour esse ano. No entanto, ele não conseguiu pegar as melhores ondas que entraram na bateria e terminou em último na classificação do norte-americano Nathan Yeomans e do marroquino Ramzi Boukhiam.

No confronto seguinte, o vice-líder do ranking, Jessé Mendes, fechou a participação brasileira na quinta-feira avançando para a fase dos 48 melhores do Australian Open of Surfing numa disputa mais fraca de ondas. Patrick Gudauskas festejou mais uma vitória norte-americana em Manly Beach, enquanto o atual campeão sul-americano da WSL South America, o argentino Leandro Usuna, só surfou uma onda e foi eliminado em 73.o lugar no QS 6000 de Sydney.

Griffin Colapinto tucking in at Manly Griffin Colapinto - WSL / Tom Bennett

TREZE SUL-AMERICANOS - A programação inicial era realizar as dezesseis baterias que restavam para fechar a segunda fase, mas a última acabou ficando para abrir a sexta-feira na Austrália. Treze sul-americanos já estão entre os 48 surfistas que vão disputar a terceira rodada do Australian Open. O argentino Santiago Muniz vai encarar três australianos na abertura desta última fase de confrontos formados por quatro competidores, um deles é o dono da única nota 10 do campeonato, Julian Wilson.

O baiano Marco Fernandez entra na segunda bateria e na terceira serão três brasileiros lutando por duas vagas com o havaiano Keanu Asing, os paulistas Deivid Silva, Thiago Guimarães e Marcos Correa. Na disputa seguinte, outro paulista, David do Carmo, compete junto com o peruano Lucca Mesinas Novaro, contra o australiano Mitch Crews e Frederico Morais, que recolocou Portugal na divisão de elite da World Surf League.

Tanner Gudauskas Tanner Gudauskas - WSL / Tom

Os outros seis brasileiros entrarão sozinhos em suas baterias com três surfistas de outros continentes. Alex Ribeiro está na quinta, o também paulista Samuel Pupo na sexta, o pernambucano Luel Felipe na sétima, o capixaba Rafael Teixeira na nona, o catarinense Alejo Muniz na décima e o paulista Jessé Mendes na 12.a, que vai definir os dois últimos classificados para a rodada dos 24 melhores do QS 6000 de Sydney.

×
World Surf League
Official App
Free – Google Play
Get it