NewsPantin Classic Galicia Pro

Weslley Dantas e Renan Pulga festejam primeiras vitórias na WSL

Dois brasileiros festejaram suas primeiras vitórias no Circuito Mundial da World Surf League neste domingo na Europa e na América do Norte. Ambos têm apenas 20 anos de idade e são do litoral norte paulista. O ubatubense Weslley Dantas ganhou o QS 3000 Pull&Bear Pantin Classic Galicia Pro na Espanha e Renan Pulga Peres, de Maresias, São Sebastião, garantiu o bicampeonato do Brasil no QS 1000 WRV Outer Bank Pro na Carolina do Norte, Estados Unidos, onde no ano passado o pernambucano Gabriel Farias também conseguiu seu primeiro título em etapas do WSL Qualifying Series. Outros dois brasileiros ficaram nas semifinais, o catarinense Alejo Muniz na Espanha e o pernambucano Alan Donato, que perdeu para Pulga nos Estados Unidos.

Weslley Dantas (BRA) winner of the Pull&Bear Pantin CLassic Galicia Pro 2018 Weslley Dantas WSL / Damien Poullenot

Por valer mais pontos e contar com surfistas mais expressivos, como vários ex-tops do World Surf League Championship Tour (CT), Weslley Dantas conquistou a vitória mais importante. Ele começa a trilhar o caminho de sucesso dos irmãos, o ex-top do CT, Wiggolly Dantas, e a bicampeã brasileira Suelen Naraisa. Weslley se destacou nas ondas da Playa de Pantin, completando os aéreos mais impressionantes no QS 3000 da Espanha. Foi voando que ele liquidou seus oponentes no último dia.

"Estou muito feliz com a minha primeira vitória no QS, pois trabalhei bastante para chegar até aqui", disse Weslley Dantas. "Eu já tinha conseguido dois terceiros lugares esse ano, em Pipeline (Havaí) e em El Gringo (Chile), então é ótimo poder sentir agora o gosto de vencer pela primeira vez. Agora vou para o maior QS da perna europeia em Ericeira (QS 10000 em Portugal) e espero manter a minha confiança para fazer outro grande resultado lá também".

Weslley Dantas (BRA) winner of the Pull&Bear Pantin CLassic Galicia Pro 2018 Weslley Dantas WSL / Damien Poullenot

O campeão só não venceu uma bateria no último dia, mas passou em segundo lugar na que abriu o domingo de ondas de 4-6 pés em Pantin. Depois, vingou essa derrota para o australiano Ethan Ewing nas semifinais, com um aéreo espetacular que arrancou a maior nota do evento, 9,5, para vencer por 11,67 a 6,67 pontos. Nesta hora, o mar já estava difícil, pois o swell chegou bombando ondas pesadas no domingo e a maioria fechava rapidamente. A segunda semifinal também teve poucas ondas surfadas e o costa-ricense Carlos Munoz impediu uma decisão brasileira, barrando o catarinense Alejo Muniz por 9,10 a 5,40 pontos.

MELHOR BATERIA - Antes das semifinais, as condições estavam bem melhores e uma bateria 100% brasileira foi a melhor do último dia. Nela estava Weslley Dantas e ele e o carioca Lucas Silveira fizeram um duelo em alto nível nas quartas de final. Ambos tiraram notas no critério excelente dos juízes e o resultado terminou empatado em 15,50 pontos. Para definir o vencedor, foi computada só a maior nota de cada um e Weslley levou a melhor por ter 8,50 contra 8,33 do Lucas.

Lucas Silveira (BRA) during Quarters of  Pull&Bear Pantin CLassic Galicia Pro 2018 Lucas Silveira WSL / Damien Poullenot

A grande final foi mais uma bateria fraca de ondas, mas Weslley ficou mais ativo dentro d´água, indo em mais ondas para buscar sua primeira vitória na carreira. Ele largou na frente com nota 4,67, depois acertou um aéreo nas esquerdas para conquistar seu primeiro troféu de campeão em etapas do WSL Qualifying Series por 9,54 a 4,10 pontos de Carlos Munoz. Com os 3.000 pontos da vitória, Weslley subiu da 64.a para a 29.a posição no ranking e os resultados do fim de semana não provocaram nenhuma mudança de nomes na lista dos dez surfistas que se classificam para a elite do CT, pelo ranking do QS.

BRASIL NO G-10 - Quem estava mais perto de ingressar na zona de classificação era o atual campeão sul-americano da WSL South America, Thiago Camarão, mas o paulista perdeu na primeira bateria do dia, para o australiano Ethan Ewing e Weslley Dantas. O catarinense Mateus Herdy e o peruano Alonso Correa também ficaram nesta rodada classificatória para as quartas de final, que abriu o domingo do QS 3000 Pull&Bear Pantin Classic Galicia Pro.

Alejo Muniz (BRA)  during semis of the Pull&Bear Pantin CLassic Galicia Pro 2018 Alejo Muniz WSL / Damien Poullenot

Com a derrota, Thiago Camarão ficou na porta de entrada do G-10, em 14.o lugar no ranking que está garantindo até o 13.o colocado, Reef Heazlewood, da Austrália. Isto porque três surfistas acima dele, estão entre os 22 primeiros no ranking do CT que são mantidos na elite para o ano que vem e dispensam as vagas do QS. A única mudança na lista foi Alejo Muniz, que subiu da sétima para a sexta posição, com o Brasil mantendo o paranaense Peterson Crisanto em segundo lugar, o potiguar Jadson André em quinto e o paulista Deivid Silva em 11.o, mas dentro do G-10.

BICAMPEONATO NOS EUA - Do outro lado do Oceano Atlântico, a bandeira brasileira subiu no alto pódio pelo segundo ano consecutivo no QS 1000 WRV Outer Bank dos Estados Unidos. Assim como Weslley Dantas na Espanha, o também paulista Renan Pulga Peres entrou no mar quatro vezes para competir no domingo em Jennette´s Pier, na Carolina do Norte. A diferença é que ele ganhou e bem todas as quatro baterias. Em duas delas, com outro brasileiro dentro d´agua.

Renan Peres Pulga (BRA) winning his Quarterfinal heat at the WRV Outer Banks Pro QS 1,000 pres. by Pacifico. Renan Peres WSL / John Ferguson

Na que abriu o domingo, valendo as duas primeiras vagas para as quartas de final, Fernando Junior ficou em último e Kevin Schulz passou em segundo junto com ele. Depois, Pulga despachou outro norte-americano, Cam Richards, antes do duelo verde-amarelo com Alan Donato nas semifinais. Nos confrontos homem a homem, Renan Peres sempre conseguiu pegar boas ondas para superar a casa dos 15 pontos nas duas notas computadas. Contra o pernambucano, fez seu maior placar no último dia, 15,73 a 13,84 pontos.

Na decisão do título, Pulga também mostrou uma boa escolha de ondas e não deu qualquer chance para o floridiano Chauncey Robinson. Ele já começou bem com nota 7,17, contra 5,17 do adversário. Depois, massacrou outra boa onda para ganhar 8,50 dos juízes que garantiu o bicampeonato do Brasil no QS 1000 WRV Outer Bank Pro, com Renan Peres repetindo o feito do pernambucano Gabriel Farias no ano passado na Carolina do Norte. A vitória por 15,67 a 11,57 pontos o levou da 173.a para a 119.a posição no ranking do WSL Qualifying Series.

2018 WRV Outer Banks Pro QS 1,000 pres. by Pacifico Finalists (From L to R) Chauncey Robinson (USA) and Renan Peres Pulga (BRA). Chauncey Robinson e Renan Pulga WSL / John Ferguson

"Isso é um sonho se tornando realidade e esse é o melhor dia da minha vida. Nem consigo acreditar que consegui a vitória", disse Renan Peres. "As ondas estavam muito boas e conseguir essas pontuações nas baterias foi aumentando minha confiança. Agora vou para as Filipinas buscar outro bom resultado lá e quero agradecer a Deus, minha família e a todos que me apoiaram. O ano está sendo difícil pra mim, depois que perdi meu patrocinador. Mas, muitas pessoas me ajudaram, meus amigos foram incríveis e esta vitória é para todos eles".

BICAMPEÃ NA ESPANHA - Também no domingo, foi encerrada na Espanha a penúltima etapa com status máximo de 6.000 pontos do WSL Qualifying Series feminino, portanto decisiva na briga pelas seis vagas para o CT do ano que vem. A brasileira Silvana Lima era a única sul-americana no último dia e foi barrada nas quartas de final. Apesar da derrota, a cearense subiu da sexta para a quarta posição no ranking e segue garantindo sua permanência na elite pelo G-6. Com a vitória sobre Silvana, a neozelandesa Paige Hareb entrou na zona de classificação, tirando da lista a australiana Philippa Anderson.

Silvana Lima (BRA) during Quarters of  Pull&Bear Pantin CLassic Galicia Pro 2018 Silvana Lima WSL / Damien Poullenot

Paige depois foi eliminada nas semifinais pela havaiana Coco Ho, que conquistou o bicampeonato consecutivo no QS 6000 Pull&Bear Pantin Classic Galicia Pro. A decisão do título foi contra a norte-americana Sage Erickson, que já tinha vencido esta etapa duas vezes. Coco Ho permanece em segundo lugar no ranking liderado pela norte-americana Caroline Marks, mas já atingiu suficientes 18.650 pontos para confirmar seu nome no CT do ano que vem.

"Isso significa que vou poder relaxar um pouco então e focar mais na piscina de ondas (próxima etapa do CT nessa semana no Surf Ranch), em Hossegor (França) e Honolua Bay (Havaí). Que bom", disse Coco Ho, referindo-se as próximas etapas do CT. "Estou muito feliz porque as ondas estavam bem melhores hoje (domingo). Eu vim aqui pela primeira vez 4 anos atrás e não sabia nada sobre Pantin. Fui conhecendo melhor ao longo do tempo e ganhar aqui no ano passado foi muito especial. Eu realmente admiro o quão bonito é esse lugar, então esta segunda vitória foi ainda mais especial e não vejo a hora de voltar para cá no ano que vem".

Coco Ho (HAW) winner of the Pull&Bear Pantin CLassic Galicia Pro 2018 coco ho WSL / Damien Poullenot
World Surf League
Download it for free on the App store. Download it for free on Google Play.
Download
Download