WSL / Pedro Monteiro
NewsOi Longboard Pro - RJ

Catarinenses vencem o Oi Pro Junior Series e carioca e peruano ganham o Oi Longboard Pro no Rio

Quatro finais emocionantes e decididas nos √ļltimos minutos, fecharam a primeira das quatro etapas do Oi Pro Junior Series e das duas do Oi Longboard Pro no domingo no Rio de Janeiro. Os catarinenses venceram as duas categorias do Pro Junior Sub-18, com Mateus Herdy derrotando o paulista Daniel Adisaka e Tain√° Hinckel acabando com a invencibilidade de dois anos da peruana Sol Aguirre na Am√©rica do Sul. No Longboard, a carioca Chlo√© Calmon largou na frente na busca por um in√©dito t√≠tulo sul-americano da WSL South America para a sua brilhante carreira, na decis√£o contra a peruana Maria Fernanda Reyes. Mas, Piccolo Clemente conquistou uma vit√≥ria do Peru na Barra da Tijuca, com o bicampe√£o mundial e tricampe√£o sul-americano superando o capixaba Alexandre Escobar na final masculina.

Mateus Herdy - Oi Pro Junior Series Mateus Herdy WSL / Pedro Monteiro

Todos os campe√Ķes receberam 1.200 d√≥lares pelas vit√≥rias no primeiro evento no Brasil com o princ√≠pio da igualdade na premia√ß√£o dos homens e mulheres, incentivado pela World Surf League. A pr√≥xima etapa do Oi Pro Junior Series √© nos dias 12 a 14 de julho em Salvador (BA), enquanto a do Oi Longboard Pro ser√° s√≥ em novembro (08 a 10) na Praia de Maresias, em S√£o Sebasti√£o (SP). No domingo decisivo do primeiro desafio no Rio de Janeiro, as ondas ainda apresentaram uma boa forma√ß√£o na Barra da Tijuca, mas as s√©ries estavam muito espa√ßadas, demorando bastante para entrar.

Com isso, o tempo nas baterias finais foi ampliado de 20 para 25 minutos, para que os competidores tivessem mais chances de surfar. A primeira decis√£o de t√≠tulo a entrar no mar foi a do Oi Longboard Pro feminino, as 11h20. A atual n√ļmero 1 do ranking mundial da World Surf League em 2019, Chlo√© Calmon, j√° tinha brilhado com a maior nota - 9,0 - de todas as categorias na semifinal carioca com Jasmim Avelino. Maria Fernanda Reyes venceu a disputa seguinte e essa acabou sendo a primeira das tr√™s finais consecutivas entre Brasil e Peru.

Chloe Calmon and Maria Fernanda Reyes - Oi Longboard Pro Chloe Calmon e Maria Fernanda Reyes WSL / Pedro Monteiro

Foi uma bateria bem disputada e a brasileira come√ßou bem, fazendo uma boa combina√ß√£o das manobras cl√°ssicas dos pranch√Ķes com batidas e rasgadas. Mas, a peruana achou uma boa onda para tirar a maior nota da bateria - 6,90 - e logo assumiu a lideran√ßa com 5,85, h√° 8 minutos do fim. Chlo√© Calmon passou a precisar de 6,26 para vencer e conseguiu 6,45 logo na primeira tentativa. A peruana tentou recuperar a ponta na onda seguinte, por√©m a nota saiu 4,85 e necessitava de 6,05. Depois, n√£o entraram mais ondas boas e a vit√≥ria de Chlo√© Calmon foi confirmada por 12,95 a 12,75 pontos de Maria Fernanda Reyes.

"Foi uma final muito bem disputada e √© muito especial vencer em casa", disse Chlo√© Calmon. "A Maria (Fernanda Reyes) estava surfando muito bem e nos dez minutos finais a gente trocou a primeira posi√ß√£o a cada onda. Eu sabia que ia ser uma bateria dif√≠cil e no √ļltimo minuto ela ainda pegou uma onda que eu n√£o quis nem olhar. Eu batalhei muito at√© o √ļltimo segundo, porque meu objetivo era deixar o t√≠tulo em casa e consegui. Estou muito feliz e agora vou em busca do primeiro t√≠tulo sul-americano, com certeza. Consegui vencer essa etapa aqui em casa, a pr√≥xima vai ser em Maresias (SP), ent√£o vamos com tudo pra l√°".

Piccolo Clemente and Alexandre De Almeida Junior - Oi Longboard Pro Piccolo Clemente e Alexandre De Almeida Junior WSL / Pedro Monteiro

VIT√ďRIA PERUANA - Depois da final feminina, entrou a decis√£o masculina do Oi Longboard Pro com o peruano Piccolo Clemente, que tem dois t√≠tulos mundiais na World Surf League e tr√™s sul-americanos na WSL South America, enfrentando o capixaba Alexandre Escobar sem muita experi√™ncia internacional. Se na categoria feminina deu Brasil, na masculina deu Peru, pois Piccolo aumentava a vantagem a cada onda surfada, at√© atingir imbat√≠veis 13,75 pontos com notas 7,25 e 6,50, contra apenas 9,15 pontos das duas computadas pelo brasileiro.

"Essa √© a minha primeira vit√≥ria no Brasil e estou muito feliz", disse o recordista com tr√™s t√≠tulos sul-americanos, Piccolo Clemente. "A √ļltima vez que eu tinha vindo para c√° foi em 2010, para participar de dois eventos, na Bahia e Pernambuco. Foi a minha primeira experi√™ncia no Brasil e estou contente em voltar aqui. Tenho competido durante muitos anos com os brasileiros, o Phil (Rajzman), o Jej√™ (Jefson Silva), Jeferson (Silva) e muitos outros amigos. Fiquei feliz por reencontra-los depois de quase 10 anos aqui no Brasil. Quero oferecer essa vit√≥ria a minha esposa que est√° aqui e todas as mam√£es do Peru. Certamente, voltarei de novo para a pr√≥xima etapa em S√£o Paulo (08 a 10 de novembro), para tentar outro t√≠tulo sul-americano".

Taina Hinckel and Sol Aguirre - Oi Pro Junior Series Taina Hinckel e Sol Aguirre WSL / Pedro Monteiro

DESAFIO DE CAMPE√ÉS - A grande final feminina do Oi Pro Junior Series foi um verdadeiro desafio entre as √ļltimas campe√£s sul-americanas na terceira decis√£o Brasil x Peru seguida na Barra da Tijuca. A bateria come√ßou um pouco fraca de ondas e a primeira boa quem surfou foi a bicampe√£ de 2017 e 2018, Sol Aguirre, que valeu 4,25. A campe√£ de 2016, Tain√° Hinckel, deu o troco na mesma moeda e recuperou a lideran√ßa com 4,50.

As ondas estavam demorando bastante para entrar e logo soou o sinal dos 5 minutos finais da bateria sem nenhuma delas surfar. Aí Tainá pegou uma esquerda para mandar um batidão de backside que recebeu outro 4,50 dos juízes, para acabar com a invencibilidade da peruana em finais disputadas desde 2017. Sol Aguirre ainda surfou uma onda no final, mas só valeu 3,25 e Tainá Hinckel festejou a vitória no Oi Pro Junior Series por 9,00 a 7,50 pontos, começando a temporada 2019 do Pro Junior liderando o ranking da WSL South America.

Taina Hinckel - Oi Pro Junior Series Taina Hinckel WSL / Pedro Monteiro

"Estou muito feliz pela vitória e quero agradecer principalmente a Deus. Acho que a lição nesse campeonato foi sobre acreditar em mim, no que eu posso, então agora é comemorar", disse Tainá Hinckel, que derrotou os grandes destaques do surfe peruano no domingo, Daniela Rosas nas semifinais e Sol Aguirre. "Minha meta desde que cheguei aqui era vencer o campeonato por mim mesma, conseguir o objetivo que eu almejava. Estou me preparando muito bem mentalmente e fisicamente, então acho que isso é o resultado deste trabalho e estou muito feliz por ter dado tudo certo. Eu quero ser campeã sul-americana de novo, mas quero me divertir também, que é o mais importante".

FAVORITISMO CONFIRMADO - A √ļltima final entrou no mar as 12h40 e o favoritismo foi confirmado com a vit√≥ria do atual campe√£o mundial Pro Junior, Mateus Herdy. Mas, n√£o foi f√°cil. O paulista Daniel Adisaka abriu a bateria logo ap√≥s o sinal de in√≠cio, surfando forte uma direita massacrada por v√°rias batidas e rasgadas que valeram nota 6,50. O catarinense tentou dar um troco com um layback incr√≠vel que n√£o completou e Daniel ampliou a vantagem com o 5,25 da sua segunda onda.

Daniel Adisaka - Oi Pro Junior Series Daniel Adisaka WSL / Pedro Monteiro

Mateus vinha arrancando as maiores notas do campeonato com seus aéreos e ficou arriscando essa manobra fatal, mas sem completar. Ele então usou a borda numa esquerda para tirar 6,25 e diminuir para 5,51 a diferença para a vitória nos 5 minutos finais. Logo pega outra e dessa vez acerta o aéreo para assumir a dianteira com 5,75. Daniel passa a precisar de 5,50 e voa na finalização de uma onda, porém sem aterrissar. Com isso, a vitória do campeão mundial Pro Junior, Mateus Herdy, foi anunciada por uma pequena diferença de 12,00 a 11,75 pontos.

"Foi uma final muito dif√≠cil, porque o Danielzinho (Adisaka) estava surfando muito e come√ßou bem a bateria", destacou Mateus Herdy. "Estava dif√≠cil de achar ondas boas, mas deu tudo certo no final e consegui a vit√≥ria que eu vim buscar aqui. Eu achei uma esquerdinha boa ali para entrar na briga, porque o Daniel foi na primeira e ela sobrou pra mim. Depois, tive sorte em conseguir outra pra fazer um a√©reo que acabou garantindo a vit√≥ria, mas foi uma bateria bem dif√≠cil. Acho que foi a recompensa pelos meus treinos, minha dedica√ß√£o, ent√£o estou feliz e confiante tamb√©m para os pr√≥ximos eventos. Eu pretendo correr outras etapas para quem sabe conseguir mais um t√≠tulo sul-americano neste meu √ļltimo ano de Pro Junior".

Alexandre De Almeida Junior - Oi Longboard Pro Alexandre De Almeida Junior WSL / Pedro Monteiro

QUATRO ETAPAS - A Oi j√° patrocina a etapa brasileira do World Surf League Championship Tour desde 2015 e agora tamb√©m passa a investir na base do esporte, na principal competi√ß√£o para surfistas com at√© 18 anos do mundo, al√©m de resgatar a modalidade Longboard no Brasil. Ser√£o quatro etapas do Oi Pro Junior Series em quatro estados do pa√≠s, duas delas combinadas com o Oi Longboard Pro e todas com igualdade na premia√ß√£o em dinheiro para homens e mulheres. As duas pr√≥ximas ser√£o apenas para a nova gera√ß√£o competir de 12 a 14 de julho na Praia de Stella Maris, em Salvador (BA), e de 11 a 13 de outubro em Florian√≥polis (SC). Na √ļltima, de 08 a 10 de novembro na Praia de Maresias, em S√£o Sebasti√£o (SP), o Oi Pro Junior Series e o Oi Longboard Pro decidir√£o os campe√Ķes regionais de 2019 da WSL South America.

O Oi Pro Junior Series e o Oi Longboard Pro são uma realização da World Surf League South America com patrocínio da Oi como naming rights e da Subway, além do apoio da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro e Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ) para esta primeira etapa na Barra da Tijuca. Todas terão o portal Waves como parceiro de mídia e serão transmitidas ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo www.waves.com.br

Chloe Calmon - Oi Longboard Pro Chloe Calmon WSL / Pedro Monteiro

A OI E O ESPORTE - A companhia patrocina grandes eventos esportivos, equipes e atletas de diferentes modalidades como surfe, skate e eventos de cultura urbana. Al√©m de patrocinar desde 2015 o Oi Rio Pro, a etapa brasileira do World Surf League Championship Tour, a Oi patrocina os principais surfistas brasileiros: Gabriel Medina, √ćtalo Ferreira, Filipe Toledo, Silvana Lima e Adriano de Souza, o Mineirinho, al√©m do surfista Davizinho, de 12 anos, vice-campe√£o mundial de surfe adaptado. Como parte do legado do patroc√≠nio aos Jogos Cariocas de Ver√£o de 2016 e 2017, a Oi construiu pistas de skate em Manguinhos e S√£o Jo√£o da Barra e reformou o skate park de Campo Grande - aproveitando assim o grande potencial do esporte urbano para aproximar culturas e realidades, transformando espa√ßos p√ļblicos.

World Surf League
Download it for free on the App store. Download it for free on Google Play.
Download
Download